segunda-feira, Fevereiro 19, 2018
Home > Notícias do Sindicato > Trabalhador rural é morto a tiros em acampamento no sertão de Pernambuco

Trabalhador rural é morto a tiros em acampamento no sertão de Pernambuco

A crescente insegurança no campo motivada por conflitos agrários acaba de deixar mais marcas, agora na região Nordeste. O trabalhador rural José Luiz da Silva, acampado em uma fazenda de posse do governo de Pernambuco, localizada em Sertania, a cerca de 300 quilômetros de Recife, foi assassinado no com dois tiros, no último sábado (2), em frente à sua casa.
 

O trabalhador, segundo familiares e companheiros de acampamento, era um dos que estavam à frente da fiscalização e das denúncias de práticas ambientais ilegais na região. O local, que por falta de fiscalização dos órgãos competentes, passou a ser alvo de caça, pesca e extração de madeira de forma ilegal.

Por essas razões, as famílias que vivem no acampamento há mais de 10 anos reivindicavam a regularização da área junto ao governo estadual e ao Instituto Nacional de Reforma Agrária (Incra), que chegou a realizar laudo técnico inicial, mas, segundo as famílias, as negociações não foram concluídas .

Segundo a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o crime pode estar ligado a questões ambientais, exatamente porque a vítima, por muitas vezes, combateu e denunciou desmatadores. Por já ter recebido ameaças, José Luiz da Silva decidiu se afastar do acampamento mas, por se convencer de que elas não se concretizariam, retornou ao local. E no último sábado foi morto a tiros por dois homens que passavam numa motocicleta.

Ainda de acordo com a CPT, uma trabalhadora rural que testemunhou as ameaças foi procurada por homens desconhecidos durante os dias que antecederam o assassinato de José Luiz da Silva.

Violência no campo

Em maio, o casal de líderes extrativistas José Claudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo, foi assassinado em Nova Ipixuna, no Pará. Daquele mês para cá, outras quatro pessoas foram mortas na zona rural da região Norte, três no Pará e uma em Rondônia.

Fonte: Virginia Toledo, Rede Brasil Atual