Bancários, Sindicato e Fenae debatem contencioso da Caixa e equilíbrio do Plano Funcef

Empregados da Caixa Econômica Federal, aposentados e ativos, e diretores do Sindicato dos Bancários da Paraíba participaram de um debate com Paulo Borges (Assessor da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa – FENAE), nesta terça-feira (7), no auditório da Entidade, sobre o cenário de déficit no contencioso da Caixa, o equilíbrio do Plano da Funcef – Fundação dos Economiários Federais e o balanço de 2016.

Na abertura do evento, o presidente do SEEB-PB, Marcelo Alves, saudou os presentes e reiterou o compromisso efetivo com a luta em defesa dos direitos da categoria. “Essa iniciativa traz a necessidade de debater informações valiosas aos aposentados e funcionários da ativa, que enfrentam problemas como o contencioso e que podem aproveitar a oportunidade desse debate para esclarecer dúvidas e apontar caminhos que devem ser traçados na conjuntura atual como forma de solucionar tais problemas. Neste sentido, debates sobre o Plano Saúde Caixa e o risco de abertura do capital do banco com a possível privatização estarão na agenda de próximos eventos”, explicou.

Aberta a palestra, Paulo Borges enfocou a relevância para o contencioso; um problema grave que envolve milhares de ações trabalhistas movidas contra a Caixa e que são pagas pela Funcef com o dinheiro dos participantes. Segundo a campanha em defesa dos participantes da Funcef, intitulada, “Contencioso essa dívida é da Caixa”, já são mais de R$ 2,4 bilhões provisionados; em relação ao déficit de 2015 a equacionar o provisionamento do contencioso equivale a 25% do deficit da REG/Replan Saldado e 42% do deficit não saldado. A campanha foi lançada em 5 de junho e tem por objetivo cobrar a responsabilidade da patrocinadora, que é a responsável pelo déficit da Funcef.

Aliado à conjuntura, que é risco para todos os Fundos de Previdência, o debatedor também falou do projeto que tramita na Câmara dos Deputados, que pretende alterar a participação da Direção dos Fundos de Previdência, para: 1/3 sindicatos, 1/3 eleitos e 1/3 preenchidos por profissionais/ especialistas do mercado.

Paulo Borges destacou a importância da luta pela democratização da gestão, com o fim do voto de Minerva, a manutenção do FRB (Fundo de Revisão de Benefícios), a incorporação do REB ao Novo Plano, bem como o desmonte da Caixa e demais empresas públicas.

A diretora do Sindicato e empregada da Caixa, Silvana Ramalho, avaliou positivamente a realização do debate para o enfrentamento dos desafios da categoria. “Iniciativas como essa reforçam a luta da entidade em garantir espaços de diálogo com debates que enriquecem toda a categoria”, concluiu.

Mobilização

Nesta sexta-feira, 10 de novembro, será realizado em todo o país o Dia Nacional de Paralisação contra as anti-reformas do governo de Temer. “Os trabalhadores e os seus sindicatos vão às ruas protestar contra a antirreforma do governo Temer, que está acabando com o patrimônio nacional e os direitos trabalhistas. E tenho certeza que, mais uma vez, a classe trabalhadora paraibana vai fazer bonito ao se contrapor ao governo ilegítimo e golpista que está entregando a nossa soberania ao capital estrangeiro”, conclamou o presidente do Sindicato, Marcelo Alves.

 

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail
Topo