quinta-feira, julho 19, 2018
Home > Notícias Gerais > Faltou trabalho para cerca de 26,4 milhões de brasileiros em 2017

Faltou trabalho para cerca de 26,4 milhões de brasileiros em 2017

Desse total, 12,3 milhões estavam desempregados e 6,5 milhões subocupados – pessoas que trabalharam menos de 40 horas por semana porque foram as únicas oportunidades no mercado de trabalho que encontraram.

No Brasil do desemprego, sobra desalento: 4,3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras estão desestimulados a procurar emprego. Elas podem, querem e precisam trabalhar, mas não procuraram emprego nos últimos 30 dias, desanimaram porque não conseguiram. Se tivessem conseguido trabalho, estariam disponíveis para assumir a vaga.

Para a secretária de Relações do Trabalho da CUT, Graça Costa, esse desalento entre os trabalhadores desempregados é o reflexo mais natural do abandono em que o Brasil se encontra. “Com a economia em recessão e a aprovação da reforma Trabalhista, as poucas vagas que são oferecidas são de empregos muito precários. Os poucos que conseguem trabalho têm de se submeter a baixos salários e sem direitos garantidos, completamente desprotegidos”, explica.

O Nordeste é a região com o maior número de desalentados – 59,7% do total nacional. A Bahia, com 663 mil, e o Maranhão, com 410 mil, são os estados campeões.

Segundo o IBGE, este é o maior contingente de desalentados já registrado desde 2012, quando começou a série histórica feita pelo Instituto. No primeiro trimestre de 2012, esse número correspondia a 1,9 milhão de pessoas.

Uma das razões para o desalento pode ser o aumento na demora para conseguir emprego nos últimos meses. Pesquisa feita pelo SPC e CNDL apontou que os brasileiros estão demorando, em média, um ano e dois meses para conseguir emprego no Brasil.

“Não bastasse isso, com o congelamento do orçamento e a queda da arrecadação, os serviços públicos estão ficando cada vez mais sucateados e o trabalhador fica doente e não tem atendimento, não tem escola decente para os filhos, o transporte é ruim e caro e a violência toma conta das periferias das grandes e pequenas cidades”, critica Graça Costa.

“É difícil para os trabalhadores e trabalhadoras encontrarem esperanças e forças para continuar buscando saídas, é muita coisa ruim ao mesmo tempo”, completou a secretária de Relações do Trabalho da CUT.

Segundo o pesquisador Cimar Azeredo, do IBGE, se os desalentados começassem a procurar emprego, a taxa de desocupação aumentaria. Isso porque, o IBGE considera como desocupado aquele trabalhador que procurou emprego, mas não conseguiu.

Ele disse, ainda, que “as políticas para o mercado de trabalho têm de olhar para os 26,4 milhões de brasileiros que estão sem trabalho”.

Do total de mais de 26 milhões sem trabalho, 3,3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras, apesar de considerados força de trabalho em potencial, não estavam disponíveis para trabalhar.