Com a economia britânica mostrando cada vez mais problemas, o Banco da Inglaterra (o BC local) voltou a cortar juros, que já estavam no menor nível desde a criação da entidade, em 1694. Já o BCE (Banco Central Europeu) manteve a sua taxa -como tinha sinalizado-, mas indicou que deverá reduzi-la na sua próxima reunião.

O BC britânico reduziu os juros em mais 0,5 ponto percentual, para 1%, continuando a sua política monetária agressiva (desde outubro, ele já cortou a taxa em quatro pontos percentuais). "A economia global está agonizando com uma queda severa e sincronizada", disse.

Apesar de a inflação anual ainda estar acima da meta de 2% (atualmente ela está em 3,1%), o BC disse que espera que ela fique abaixo do alvo a partir da segunda metade do ano.

O BCE, que vinha de quatro cortes seguidos desde outubro de 2008, interrompeu as reduções, como havia alertado na reunião do mês passado. Porém, o seu presidente, Jean-Claude Trichet, sinalizou que os juros da zona do euro, hoje em 2%, deverão ser reduzidos em 0,5 ponto percentual no encontro do próximo mês.

Fonte: Folha de São Paulo