Em mais um capítulo da disputa entre o Banco Central e os bancos sobre a responsabilidade em relação ao elevado custo do crédito no país, o BC passou a dar visibilidade e facilitar o acesso na sua página na internet para o ranking das instituições financeiras que cobram as maiores e as menores taxas do mercado. O objetivo, segundo o BC, é estimular as pessoas a consultarem a lista antes de tomar um empréstimo.

O levantamento é dividido em empréstimos a pessoas físicas e empresas e detalha os juros praticados em cada operação de crédito -como cheque especial, crediário, capital de giro, entre outras.

A pesquisa é atualizada semanalmente pelo BC há vários anos, mas só ontem a instituição decidiu colocar uma chamada para os dados logo na primeira página de seu site, no endereço www.bcb.gov.br.

As informações estão disponíveis no capítulo "taxas de juros de operações de crédito". O levantamento mostra, por exemplo, que o HSBC cobra, em média, 10,02% ao mês no cheque especial, quase 50% a mais do que os 6,78% mensais da Caixa Econômica Federal.

No crédito pessoal, os juros médios cobrados pelo Bradesco (5,27% ao mês) equivalem a quase o dobro dos 2,80% do Banco do Brasil. Entre os dez maiores bancos do país, a menor taxa desse segmento é a da Caixa Econômica Federal, que cobra 2,60% ao mês.

Nas últimas semanas, o BC tem tentado fugir das críticas em relação ao elevado nível da taxa básica de juros, a Selic, hoje em 12,75% ao ano. Argumenta que o alto custo do crédito no Brasil não é causado pela Selic, mas pelo elevado "spread" cobrado pelos bancos.
"Spread" é a diferença entre o custo de captação do banco e aquele cobrado pela instituição nos seus empréstimos. O governo discute até a possibilidade de tornar pública um ranking com os "spreads".

Para a advogada Maria Elisa Novais, do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor), a iniciativa do BC em modificar a divulgação do seu ranking deve produzir pouco efeito prático. "Essa mudança provavelmente não vai ter impacto nenhum. Essas informações já estavam no site havia muito tempo, já eram conhecidas, e nem assim os juros caíram", diz a advogada.

Novais diz que a alta e crescente concentração do setor bancário desestimula a concorrência e ajuda a explicar os elevados juros nos financiamentos, mas ressalta que a ação do BC não deve ser suficiente para mudar esse quadro.

A divulgação da pesquisa na página do BC na internet causou confusão nos bancos. Ontem, a filial brasileira do francês Société Générale divulgou um comunicado para informar que, apesar de ser citado como aquele que cobra os juros mais baixos no crédito pessoal, esse tipo de empréstimo está disponível só para os funcionários da empresa, focada em pessoas jurídicas.

Fonte: Folha de São Paulo