São Paulo – O número de bancários do Banco do Brasil afastados por problemas de saúde tem crescido assustadoramente. Segundo funcionários ouvidos pelos diretores do Sindicato, a reestruturação das agências e departamentos é que tem adoecido a categoria, já que aumentou a pressão e, conseqüentemente, os casos de LER/DORT.

O Banco do Brasil divulgou em seu Relatório de Sustentabilidade de 2008 que o indicador de afastamento aumentou de 1,6% em 2006 para 6,22% em 2008. "Apesar do relatório ser mal feito e não indicar como o índice é apurado, o fato é que ele aumentou 3,88 vezes em dois anos. E o banco não dá transparência às faltas por adoecimento pelo trabalho", diz Cláudio Rocha, diretor do Sindicato. 
 
O dirigente também informa que o Sindicato vai buscar com os bancários dados para denunciar as más condições de trabalho. A campanha será organizada junto com os delegados sindicais. 

Fonte: SEEB – SP