O Banco do Brasil entrará na próxima safra, que começa oficialmente em julho, com a meta de elevar em 30% os empréstimos ao setor rural. Nos planos do banco, até agora "muito concentrado" em financiamentos a produtores de soja e milho, estão a "diversificação" da carteira e o aumento da base de clientes. "Não vamos flexibilizar as exigências técnicas ou prudenciais, mas precisamos facilitar esse crédito", disse o vice-presidente de agronegócios do BB, Luís Carlos Guedes Pinto.

O banco considera que a situação está melhor no campo e uma gestão adequada dos negócios pode transformar investimentos em bons resultados – até abril, emprestou R$ 25 bilhões ao setor. O BB acredita que a nova safra, que começa a ser plantada em setembro, representará o "terceiro ano de recuperação" da renda agrícola. Espera preços em alta, dólar remunerador, custos de produção menores e retomada dos financiamentos pelas tradings. Mesmo assim, a safra ainda será prejudicada pelo endividamento elevado de produtores e cooperativas.

Fonte: Valor Econômico / Mauro Zanatta