O Sindicato dos Bancários de Mato Grosso (Seeb-MT) e os funcionários do Itaú paralisaram as atividades da agência 0288 Cuiabá-Centro durante uma hora em protesto contra uma quebra de acordo entre a empresa e Seeb-MT, em decorrência de um assédio moral na unidade ocorrido em 2008. Ainda hoje (25), foi realizada reunião com os empregados foram discutidos temas como assédio moral, Campanha Salarial, doenças ocupacionais e as demais lutas intermitentes do Sindicato visando melhorar as condições de trabalho desses empregados.

Durante a paralisação foi distribuída carta aberta à população informando a respeito dos motivos da ação. "Não se pode admitir que um banco que afirma ter uma política voltada ao bem estar dos seus funcionários assedie moralmente os mesmos e penalize aqueles que denunciam. É preciso entender que assédio moral é crime e isso não pode continuar", explica o secretário de formação do ramo financeiro e funcionário do Itaú, Natércio Brito.

No ano passado foi constatado práticas de assédio moral na principal agência do Itaú em Cuiabá e ao tomar conhecimento o Sindicato esteve no local. Sendo que a partir disto foi proposto pelo banco um acordo junto ao Seeb-MT, mas isso não foi respeitado pela empresa. Sendo que, depois de um período afastada do trabalho, em decorrência de sua licença-maternidade, a bancária foi demitida sem justa causa assim que finalizada sua estabilidade. A demissão ocorreu devido à denúncia realizada pela mesma, anteriormente, contra seu então superior que a assediava moralmente.

"Infelizmente, tivemos que paralisar a agência durante uma hora para mostrar ao banco que não ficaremos parados diante dessa prática ilegal. Sabemos que a população acaba sendo prejudicada quando o atendimento é interrompido, mas pedimos que eles compreendam que a postura do banco em relação aos seus funcionário influencia diretamente no atendimento aos clientes", argumenta o presidente do Seeb-MT, Arilson da Silva.

O diretor da Fetec/CN e funcionário do Itaú, Jair Moraes, reafirmou aos funcionários durante a reunião que esse tema vem sendo discutido nacionalmente e sempre será combatido pelos sindicatos.

Fonte: Seeb-MT