A cada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), os principais bancos do País disputam uma corrida para ver quem é mais rápido no repasse do corte da taxa Selic para o crédito ao consumidor.

Normalmente, os anúncios ocorrem minutos após o comunicado oficial dos diretores do Banco Central (BC). Mas, desta vez, alguns foram além: Caixa e Nossa Caixa anteciparam em um dia o anúncio, cujos cortes ficaram entre 0,04 e 1,45 ponto porcentual.

Os demais seguiram a tradição e anunciaram ontem à noite reduções médias de 0,04 ponto porcentual, que representa o corte integral de 0,5 ponto porcentual no período de 12 meses.

No Grupo Santander, os bancos Santander e Real reduziram os juros de duas modalidades. A taxa máxima do cheque especial cairá para 9,38% ao mês e a do rotativo do cartão de crédito internacional, para 12,46%. No caso de parcelamento, no entanto, a taxa será menor: 6,95%.

"A redução das taxas contribui para a recuperação do mercado, que já apresenta perspectivas positivas para este segundo semestre em comparação com o mesmo período do ano passado", afirma o presidente do grupo, Fabio Barbosa, em nota ao mercado.

No segundo maior banco privado do País, o Bradesco, seis modalidades terão os juros reduzidos a partir de segunda-feira. São eles: cheque especial (8,24% ao mês), crédito pessoal (5,64%), CDC bens (2,76%), Leasing de veículos (2,55%), capital de giro (4,82%) e antecipação de recebíveis de duplicatas, cheques e cartão de crédito (4,27%). As taxas do financiamento de veículos foram mantidas em 1,2% ao mês.

O concorrente Itaú Unibanco também anunciou que repassará o corte integral para as taxas máximas do crediário e cheque especial para pessoa física e jurídica.

A instituição, no entanto, não apresentou as novas taxas, que estarão em todas as agências na terça-feira. No Banco do Brasil, as reduções já valem a partir de amanhã.

Os cortes nas taxas máximas variam de 0,01 a 0,04 em sete modalidades diferentes. A do cheque especial cairá para 7,65% ao mês; a do rotativo do cartão de crédito, para 12,52%; a do parcelamento do cartão, para 4,52%; a do crédito automático, para 5,25%; e a do veículos, para 2,36%.

Para empresas, o Banco do Brasil reduziu o crédito para capital de giro para 2,34%.

No HSBC, quatro linhas de crédito para pessoa física e quatro para pessoa jurídica terão cortes entre 0,02 e 0,04 ponto porcentual. As taxas passam a vigorar hoje em todas as agências do banco.

O cheque especial normal terá juro de 9,26% ao mês e o voltado para o segmento premier, de 7,35%. O mesmo ocorre com o crédito parcelado.

O segmento premier terá juro de 5,01% e os demais, de 7,33%. Entre as modalidades para pessoa jurídica, o cheque especial vai recuar para 9,31% – maior que o da pessoa física.

No capital de giro, a taxa máxima ficará em 3,65%; no desconto de duplicata, em 3,06%; e na conta garantida, em 4,46%.

Fonte: O Estado de São Paulo