O BNB (Banco do Nordeste do Brasil), estatal controlada pela União, cobra na Justiça dívida de R$ 12 milhões por empréstimos tomados pela Televisão Mirante, pertencente aos filhos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). Metade da cobrança, que em valores atualizados atinge R$ 14 milhões, refere-se a dinheiro público do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), vinculado ao Ministério do Trabalho, informa reportagem de Rodrigo Vargas e Rubens Vallente, publicada nesta quinta-feira, dia 30, pela Folha de S.Paulo.

A TV nega as dívidas, diz que já pagou R$ 3,1 milhões e não se considera mais devedora, após ter obtido duas vitórias na Justiça do Maranhão. O BNB recorreu, em maio último, ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

A Folha teve acesso ao conteúdo das ações judiciais abertas pelo BNB em 2005. A empresa é beneficiária de empréstimo, liberado após a assinatura de uma cédula de crédito comercial – uma espécie de termo de compromisso que indica valores, prazos de pagamento e bens para eventual penhora.

O documento relativo ao empréstimo realizado em 2001 contém assinaturas dos filhos do senador Roseana, Fernando (indiciado pela PF sob acusação de formação de quadrilha) e Sarney Filho. Conforme o termo, a família Sarney se comprometeu a utilizar a verba do FAT em obras (R$ 488 mil), aquisição de equipamentos, como câmeras de vídeo e ilhas de edição (R$ 885 mil), móveis e utensílios (R$ 543 mil), entre outras despesas. Também prometeu desembolsar "no mínimo R$ 1,31 milhão" em dinheiro próprio.

Fonte: Folha Online