Comando Nacional dos Bancários entregará à Fenaban nesta segunda-feira, 10, às 15h, em São Paulo, a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2009. Na mesma ocasião, os empregados da Caixa Econômica Federal entregarão sua pauta específica para a direção do banco.

Aprovada na 11ª Conferência Nacional dos Bancários, após um intenso processo de discussão na categoria, que contou com conferências regionais e estaduais, a pauta foi ainda ratificada pela quase totalidade das assembleias nas bases sindicais. Antes da reunião com a Fenaban, o Comando Nacional se reunirá às 10h, na sede da Contraf-CUT.

"Nossa campanha salarial já começou na prática, com as intensas discussões a respeito da pauta de reivindicações. Com os lucros astronômicos que vêm acumulando, os bancos têm todas as condições de atender nossa minuta. A categoria está mobilizada e pronta para conquistar aumento real de salário e novos direitos", avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT. "Os bancos abusam dos trabalhadores e da sociedade. Está na hora de colocar em prática seu discurso de responsabilidade social, começando por melhorar as condições de trabalho de seus próprios funcionários", afirma.

Caixa

Juntamente com as reivindicações gerais da categoria, á Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) irá realizar a entrega da pauta específica dos trabalhadores para a direção do banco. As demandas específicas foram definidas no 25º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), realizado em abril.

Os temas prioritários da campanha específica da Caixa são: novo Plano de Cargos Comissionados (PCC), isonomia de direitos entre novos e antigos empregados, ampliação dos direitos dos aposentados, contratação de novos empregados e melhoria das condições de trabalho, respeito à jornada de seis horas e democratização da gestão.

Banco do Brasil – Ainda não foi definida a data para a entrega da pauta específica dos funcionários do BB para a empresa. A Comissão de Empresa dos Funcionários do BB está em contato com o banco para decidir uma data.

O que os bancários querem

As principais reivindicações da categoria, aprovadas na Conferência Nacional realizada entre 17 e 19 de julho e ratificadas pelas assembleias, são as seguintes:

– Reajuste salarial de 10% (reposição da inflação mais aumento real).

– PLR de três salários mais R$ 3.850.

– Valorização dos pisos:
Portaria: R$ 1.432.
Escriturário: R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese).
Caixa: R$ 2.763,45.
Primeiro comissionado: R$ 2.763,45.
Primeiro gerente: R$4. 605,73.

– Auxílio-refeição: R$ 19,25.

– Cesta-alimentação: R$ 465,00 (um salário mínimo).

– 13ª cesta-alimentação: R$ 465,00.

– Auxílio-creche/babá: R$ 465,00.

– Fim das metas abusivas e do assédio moral.

– Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) em todos os bancos, negociado com as entidades sindicais.

– Contratação da remuneração total, inclusive a parte variável, com a incorporação dos valores aos salários e reflexo em todos os direitos (13º, férias e aposentadoria) – com o objetivo de acabar com as metas abusivas.

– Garantia de emprego, fim das terceirizações e ratificação da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que proíbe demissões imotivadas.

– Mais segurança nas agências.

– Auxílio-educação para todos.

– Ampliação da licença-maternidade para seis meses.

Fonte: Contraf-CUT