passeata_fora_yeda.jpg

Crédito: Renata Machado
passeata_fora_yeda.jpgOs bancários de Porto Alegre se uniram a mais de 3 mil manifestantes, mobilizados pelas centrais sindicais (CUT, CTB, Intersindical e Conlutas) e movimentos sociais e estudantis do Rio Grande do Sul, na manhã desta sexta-feira, dia 14, para protestar contra a corrupção no governo e exigir o impeachment da governadora tucana Yeda Crusius. O ato público ocorreu na Praça da Matriz, em frente ao Palácio Piratini, na capital gaúcha.

Participaram diretores do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região, Federação dos Bancários do RS e vários sindicatos do interior. Também compareceram diretores da Contraf-CUT. "A tucana está atolada em denúncias de corrupção e não tem credibilidade para governar o Estado", avalia o secretário de imprensa da Confederação, Ademir Wiederkehr.

A área foi isolada pela Brigada Militar e os manifestantes empunharam faixas, bandeiras e cartazes, pedindo a saída da governadora. "Um, dois, três, Yeda no xadrez" foi uma das palavras-de-ordem mais repetidas, ao lado de "ai, ai, ai, ai, ai, ai, empurra que ela cai".

Não faltou música gaúcha com protestos. Um dos trechos mais cantados dizia "governo Yeda não vale nada, seu novo jeito tá roubando a gauchada".

"O governo do Estado quer impedir o povo de se manifestar, mas não vai conseguir", afirmou Rejane Oliveira, presidenta do Cpers, o Sindicato dos Professores do Estado. Rejane foi uma das três militantes indiciadas por "dano, injúria, difamação e tentativa de cárcere privado", a pedido da governadora, por liderar protesto em frente à polêmica mansão aquirida por Yeda depois da campanha eleitoral de 2006.

A manifestação também integrou a Jornada Nacional Unificada de Lutas, convocada por centrais sindicais e movimentos sociais do país inteiro. A atividade foi uma iniciativa para enfrentar os efeitos da crise sobre a classe trabalhadora, em defesa do emprego, pela redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, pelo fim do fator previdenciário e pelos direitos sociais.

No Rio Grande do Sul, dada a conjuntura especial, o ato tomou as cores da bandeira gaúcha para protestar contra o governo corrupto do PSDB no Estado. Não há notícia de um desgoverno como o atual.

Um pequeno grupo de simpatizantes de Yeda com bandeiras do PSDB acompanhou o protesto à distância, fazendo provocações. "Nós estamos contigo", dizia uma das faixas.

CPI da Corrupção

A governadora e mais oito pessoas – integrantes de seu governo, parlamentares da base aliada e seu marido, Carlos Crusius – foram denunciados pelo Ministério Público Federal numa ação civil pública de improbidade administrativa pelo desvio de R$ 44 milhões do Detran/RS.

Nesta sexta-feira, o presidente da Assembléia Legislativa do RS, deputado Ivar Pavan (PT), acatou o requerimento assinado por 39 parlamentares solicitando a instalação de uma CPI. As bancadas partidárias terão cinco dias para indicar seus representantes na comissão, e a partir daí, ela começa a funcionar no prazo de três dias.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Porto Alegre e CUT-RS