Inicialmente com uma projeção de crescimento de 30% para sua carteira de crédito, a Caixa Econômica Federal (CEF) agora trabalha com a expectativa de que o estoque em 2009 avance pelo menos 40% em relação à posição de 2008, o que levaria a carteira de crédito para R$ 112 bilhões e daria à instituição 8% de participação de mercado. O vice-presidente de Finanças da Caixa, Márcio Percival, destaca que esta é uma projeção "extremamente conservadora" e que deve ser ultrapassada.

"Os números apresentados no primeiro semestre mostram que este planejamento deve ser superado", afirmou, destacando que em setembro a instituição deve fazer nova revisão. Para a carteira de crédito livre, que inclui recursos concedidos a pessoas físicas e jurídicas, sem direcionamento específico, a alta na comparação com 2008 deve ser de 43,2%, constituindo uma presença de 3,73% no mercado total.

Considerando somente o estoque de recursos destinado às pessoas físicas, deve subir 41,7%, levando a participação de mercado da Caixa para 4%. O saldo da carteira de financiamentos para empresas, por sua vez, deve evoluir 45%, o que levaria o banco público a deter 3,39% deste mercado, conforme projeções de Percival. Empréstimos para infraestrutura deverão exibir um estoque 50,1% maior.

Já a previsão da Caixa para o saldo da carteira de habitação é de um avanço de 34,5%, para R$ 61 bilhões ou 78% deste mercado. "Mas esse número será bem maior", afirmou, com base no resultado do final de junho, quando o saldo desta carteira cresceu quase 50% ante igual intervalo de 2008, para R$ 55,019 bilhões. Vale notar que o saldo total das operações de crédito da Caixa somou R$ 99,23 bilhões no final do semestre, alta de 56,1% em 12 meses.

De acordo com o vice-presidente de Governo da Caixa, Jorge Hereda, o banco bateu, em agosto, novo recorde de contratação de empréstimos imobiliários. No ano, até o último dia 14, os créditos contratados na instituição para esta finalidade somavam R$ 23,3 bilhões, superando os R$ 23 bilhões de todo o exercício de 2008. "Desses recursos, R$ 2 bilhões se referem ao programa Minha Casa, Minha Vida", destacou, observando que há mais de 1.300 projetos deste programa habitacional na Caixa, dos quais 494 já estão com a documentação completa.

Com relação à inadimplência projetada para o ano de 2009, Percival observou que ficará nos mesmos patamares reportados nos últimos balanços. Os atrasos de mais de 90 dias em empréstimos para pessoas físicas atingiram, em junho, 5,4% da carteira da Caixa, ante 5,3% em dezembro de 2008. No caso de pessoas jurídicas, a inadimplência saiu de 2,2% no final de 2008 para 2,4%. Em habitação, este indicador saiu de 1,7% em dezembro de 2008 para 2% em junho.

Fonte: Agência Estado