O presidente do Banco do Brasil, Aldemir Bendine, afirmou hoje que o banco tem a ambição de ampliar para 25% a participação do setor de seguros no resultado da instituição em um prazo de cinco anos. Hoje, segundo ele, essa participação é de 12%. "O banco é rápido e eficiente", disse Bendine, numa rápida entrevista ao deixar o Ministério da Fazenda, em Brasília.

O presidente do BB confirmou que a instituição está preparando um novo modelo para a reestruturação societária das cinco empresas de seguro do grupo. "Temos um acordo de confidencialidade com nossos sócios. O que estamos procurando é uma ampliação da captura de valor do banco nesse modelo para ampliar a participação do banco no capital dessas empresas", disse Bendine. Segundo ele, o aumento dessa participação pode ficar entre 40% e 50%. "Talvez nessa faixa, é difícil estimar."

Bendine admitiu, no entanto, que é difícil neste novo modelo de reestruturação da área de seguros o banco vir a trabalhar com um único sócio segurador. "Temos que respeitar um pouco a especificidade de cada um dos sócios que muito contribuíram para esse modelo", disse o executivo. Ele acrescentou que qualquer um dos três grandes sócios do banco (Principal, Mapfre e SulAmérica) "tem potencial de aumentar ou diminuir a participação".

Bendine destacou que o banco paulista Nossa Caixa, incorporado pelo BB, tem um acordo de exclusividade com a espanhola Mapfre por um prazo de 25 anos. "Ela tem no balcão da Nossa Caixa acordo de exclusividade, assim como outras empresas têm exclusividade no balcão do BB. Estamos discutindo dentro do modelo essa exclusividade no balcão único que passamos a ter agora".

Questionado sobre o que isso pode significar no futuro, ele respondeu: "que a gente tem de optar por um sócio em detrimento de outros num determinado ramo". O presidente do BB acrescentou ainda que o avanço no setor de seguros é fundamental para o banco manter a liderança no ranking das maiores instituições financeiras do Brasil. "É fundamental não só para o BB, mas para qualquer banco, a contribuição da área de seguridade na composição dos resultados de um banco é extremamente expressiva", disse.

Ele reconheceu, no entanto, que o Banco do Brasil ainda não tem uma experiência tão boa nesse setor como alguns dos seus concorrentes. "O que queremos é buscar esse grau de eficiência (dos concorrentes)". Sobre o Bradesco, que hoje lidera o segmento de seguros, Bendine afirmou: "a gente vai ter de brigar com eles para recuperar".

O presidente do BB disse ainda que o banco tem interesse em entrar no segmento de seguro imobiliário. "Hoje não operamos com isso, é natural que exista esse interesse".

Fonte: Agência Estado / Adriana Fernandes