Crédito: Maurício Morais
Maurício Morais A comemoração do Dia do Bancário e dos 26 anos de fundação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi marcada com uma passeata na sexta-feira 28. Bancários, metalúrgicos, petroleiros, químicos, guardas municipais em greve, e outras categorias em campanha salarial no segundo semestre, saíram da sede da CUT no bairro do Brás e seguiram até as ruas do centro de São Paulo reforçando a luta por aumento real, mais participação nos lucros e resultados, além da cobrança aos banqueiros por redução dos juros e do spread e ampliação do crédito.

"Estamos na luta por salário e melhores condições de trabalho para os bancários, mas também em defesa da redução dos juros e do spread para que a sociedade não continue sendo vítima da ganância dos banqueiros", afirmou o presidente do Sindicato, Luiz Cláudio Marcolino.

Durante o trajeto de cerca de 3 km, os mais 2 mil trabalhadores apresentaram para a população as bandeiras de luta que devem envolver toda a sociedade. Os heróis da Superliga dos Bancários e a turma dos Irresponsáveis animaram a manifestação.

A utilização dos recursos da exploração do pré-sal no combate à pobreza e a redução da jornada de trabalho para 40 horas deram o tom na manifestação.

"Os recursos do fundo do pré-sal devem ser usados para melhorar a educação, a tecnologia e para combater a pobreza, ampliando o sistema de seguridade e proteção social", disse o presidente da CUT, Artur Henrique da Silva.

O trabalhador gráfico Luciano Brito, que parou para ver a passeata, disse que o ato da CUT conta com seu apoio. Questionado sobre qual bandeira de luta deveria prioridade, foi categórico: "A luta por melhores salários é a bandeira com que mais me identifico". O aposentado José Benedito, quando perguntado sobre os 26 anos de luta da CUT, reconheceu a importância da trajetória. "Essa mobilização é importante. Conheço a história da CUT na luta pela democratização e pelos direitos dos trabalhadores, mas precisamos avançar mais, principalmente em relação ao reajustes dos aposentados".

O ato foi encerrado em frente ao Teatro Municipal na Praça Ramos e contou com a participação do deputado federal Vicentinho (PT-SP), um dos fundadores da Central Única dos Trabalhadores, que lembrou do tenso ambiente político à época da criação da CUT, quando ainda imperava a ditadura militar. "Lembro como se fosse hoje, quando no congresso de fundação da nossa central, na cidade de Praia Grande, tivemos de buscar estruturas para abrigo dos companheiros que vinham de todas as partes desse país. Vamos continuar construindo a unidade dos trabalhadores porque o destino dessa central é liderar os operários desse país, e porque não dizer, com humildade, os trabalhadores da América, como faz hoje o presidente Lula na liderança dos países da América Latina" discursou o deputado, emocionado.

Fonte: Carlos Fernandes, Seeb SP