"Eles já estavam planejando o assalto a uma agência bancária de Goiás, e para evitar a prática de mais um crime nos deslocamos para aquela região. A investigação foi realizada pela Polícia Civil de Sergipe, mas não há sergipanos envolvidos", explica o delegado Tiago Cahino.

Em Sergipe, os acusados cometeram os quatro crimes em uma semana. A agência do Banco do Brasil, localizada na avenida Francisco Porto, em Aracaju e as agências das cidades de Propriá, Porto da Folha e Nossa Senhora das Dores.

"Quando iniciamos as investigações notamos que eles usavam aparatos tecnológicos para a clonagem de cartões, captação de senhas e dados dos usuários, além de um aparelho conhecido vulgarmente como chupa cabra. Concluímos que não se tratava de uma simples quadrilha", informou o delegado Cristiano Barreto, do Subsistema de Inteligência em Segurança Pública

Levantamentos feitos pela polícia mostram que pelo menos 16 agências de bancos do país foram furtadas pela quadrilha. De acordo com o delegado Cristiano Barreto, ainda não foram contabilizados os valores faqueados pelos acusados, mas os furtos praticados nas cidades de Igarassu, Paulista e Goiana renderam ao bando mais de R$ 800.000,00.

Os acusados entraram nas agências usando furadeiras e massaricos para arrombar os caixas eletrônicos e levar o dinheiro. Vão responder pelos crimes de fraude eletrônica, falsificação de documentos, corrupção de agentes públicos e formação de quadrilhas. José Carlos também vai responder pelo crime de homicídio.

Uma investigação de quatro meses realizada pela Polícia Civil de Sergipe resultou na prisão de seis homens na cidade de Valparaíso-GO, acusados de praticar furtos em diversos bancos em vários estados. A Operação foi denominada Labirinto por conta das dificuldades que a polícia encontrou em localizar a quadrilha.

As investigações foram iniciadas depois que a organização criminosa praticou assalto ao Banco do Brasil, em Propriá. Ao todo eles cometeram quatro assaltos em agências bancárias de Sergipe. A quadrilha assaltou agencias de Nossa Senhora das Dores, Porto da Folha e Aracaju, além de Propriá.

José Carlos Lacerda Leite, empresário do ramo imobiliário, e Nivaldo Nogueira da Silva, são os mentores da quadrilha. Segundo a polícia, José Carlos conseguiu acumular um patrimônio avaliado em R$ 2 mi. Paulo Sergio Bartelli, 28 anos e os comparsas Alex Sandro Bispo, Tiago Bispo e Wagner Alves Gomes, 26 anos, também foram presos.

Fonte: SNN notícias