Crédito: Contraf-CUT
Contraf-CUT O funcionário do Banco do Brasil, Jacy Afonso de Melo, foi empossado na última quinta-feira, dia 27, no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) da Presidência da República. Agora são dois os bancários presentes neste órgão do qual participam personalidades indicadas pessoalmente pelo presidente Lula. O outro integrante é Sergio Rosa, presidente da Previ, o fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil.

Ex-presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, ex-presidente da CUT-DF e ex-tesoureiro da CUT nacional por dois mandatos consecutivos, Jacy Afonso é, desde agosto deste ano, secretário de Política Sindical da CUT nacional.

Sergio Rosa foi diretor do Sindicato de São Paulo, vereador em São Paulo, presidente da antiga Confederação Nacional dos Bancários (CNB), antecessora da Contraf-CUT, e diretor eleito da Previ.

Para Jacy, o CDES é "um Conselho de representação da sociedade, não é de representação institucional da CUT. É um espaço para uma série de personalidades apresentarem questões como a do papel dos bancos no desenvolvimento econômico e social. É um lugar para nós levarmos as contribuições para formulação de políticas para vários setores do país".

Além de expressar o destaque da categoria em âmbito nacional, a presença dos bancários no Conselho assegura contribuições do ponto de vista dos trabalhadores para a busca de melhoria dos sistemas financeiro, previdenciário público e complementar, e para geração de emprego, renda e direitos, com crescimento da economia.

Também participam do conselho o presidente e o vice presidente da CUT, Arthur Henrique e José Lopez Feijóo.

Órgão consultivo

O CDES é um órgão de caráter consultivo da Presidência da República, de composição majoritariamente da sociedade civil. O órgão colabora na definição dos grandes rumos do País de forma compartilhada através do diálogo. A função do CDES é orientar um projeto de desenvolvimento de longo prazo, com valores assumidos pela sociedade. É essencialmente uma instituição representativa de vários setores da sociedade.

Durante a posse, o presidente Lula afirmou que espera que o trabalho do CDES, como uma instituição democrática institucionalizada, seja mantido após 2010. "Grande parte das mudanças que nós fizemos neste País passou por debate no Conselho ou por grupos que vocês criaram no Conselho". Para apontar a importância do Conselho, Lula destacou ainda que, sem a cooperação do CDES, não teria sido possível, por exemplo, o acordo entre usineiros e os trabalhadores da cana-de-açúcar.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Brasília