greve_caixa_repressao.jpg

greve_caixa_repressao.jpg
(João Pessoa) Nesta quinta-feira, 24 de setembro, em plena vigência do governo, dito popular, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ex-líder sindical, co-fundador e presidente de honra do Partido dos Trabalhadores (PT), a Caixa Econômica Federal usa o mesmo expediente do tempo da ditadura militar e coloca segurança privada para reprimir a greve dos bancários na Paraíba. Por unanimidade, cerca de 450 bancários deflagraram a greve por tempo indeterminado na noite de ontem, em protesto contra a falta de proposta decente dos banqueiros, inclusive da Caixa.

Além de queda, coice – Para o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcos Henriques e Silva, companheiro de partido do presidente Lula, da presidenta da Caixa Maria Fernanda, e do superintende regional Elan Miranda, a administração da Instituição Financeira foi longe demais, ao optar pela segurança privada para reprimir o movimento pacífico e ordeiro dos bancários, que têm o legítimo direito de fazer a greve, uma vez que a empresa não ofereceu uma contraproposta negociável. "Além de não adotar uma postura adequada a quem administra o bem do povo brasileiro, a diretoria da Caixa exorbitou em sua arrogância e teve a infeliz idéia de colocar segurança privada para impedir os bancários de agir conforme lhes faculta a lei. A Caixa foi longe demais; além de queda, coice", desabafou.

Segundo Marcos Henriques, apesar de denúncia de intimidação a comissionados da Caixa que aderiram à greve, os bancários estão firmes e fortes, com adesão quase total ao movimento paredista em todo o Estado da Paraíba, dando sequência à vontade soberana da assembleia da categoria que decidiu deflagrar a greve por tempo indeterminado em do o País. "As reivindicações dos bancários são justas e legítimas, como o reajuste salarial de 10%, melhor distribuição da participação dos lucros e resultados e melhores condições de trabalho. E os bancos, inclusive a Caixa Econômica Federal, obtiveram lucros exorbitantes, portanto, suficientes para atender às reivindicações dos bancários. A greve continua, companheiros!", concluiu.

Hoje à noite, às 17h, haverá assembleia de avaliação do primeiro dia de greve, no ginásio de esportes do Sindicato dos Bancários – Av. Beira Rio, 3.100, Tambauzinho.