bradesco_24092009.jpg

bradesco_24092009.jpg
A greve nacional dos bancários cresceu em todo o país no segundo dia da paralisação. Conforme levantamento efetuado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), com base nas informações enviadas pelos sindicatos até as 19h30 desta sexta-feira, dia 25, o número de agências fechadas subiu para 4.791, além de departamentos e centros administrativos de todos os bancos, públicos e privados. No primeiro dia os sindicatos haviam informado o fechamento de 2.881 unidades.

"O fortalecimento da greve mostra a indignação dos bancários com a postura dos bancos de não atenderem nossas reivindicações, mesmo sendo o setor da economia brasileira que obteve os maiores lucros no primeiro semestre, alcançando R$ 19,3 bilhões, graças ao empenho dos trabalhadores", avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários. "A indignação cresce à medida que o tempo passa e os bancos não apresentam proposta, principalmente porque querem reduzir a PLR enquanto pagam bônus milionários aos altos executivos. Por isso a tendência é a greve crescer ainda mais na segunda-feira."

O Comando Nacional enviou ofício à Fenaban na sexta-feira 18 comunicando a rejeição da proposta de reajuste de 4,5% apresentada pelos bancos no dia anterior e cobrando uma nova proposição. Até o momento, os bancos não entraram em contato com os representantes dos trabalhadores para marcar uma nova negociação. Já foram realizadas cinco rodadas com os banqueiros desde a entrega da minuta de reivindicações dos bancários, ocorrida no dia 10 de agosto.

Cordeiro destaca que os bancários não aceitam somente a negociação das reivindicações econômicas, como reajuste de 10% (reposição da inflação mais aumento real), a PLR de três salários mais R$ 3.850 para cada trabalhador e a valorização dos pisos. "Queremos ir além das questões de remuneração e abranger outras demandas dos bancários, como garantia de emprego, mais contratações, melhores condições de saúde e trabalho, fim das metas abusivas, segurança contra assaltos, auxílio educação e previdência complementar para todos, dentre outros pontos", afirma.

Por que os bancários estão em greve

Reajuste de 10% do salário. Os bancos ofereceram 4,5%, apenas a reposição da inflação dos últimos doze meses, enquanto outras categorias de trabalhadores de setores econômicos menos lucrativos estão conquistando aumento real de salário.

Bancos querem reduzir PLR para aumentar lucros. Os bancários querem uma PLR simplificada, equivalente a três salários mais R$ 3.850 fixos. Os banqueiros propuseram a distribuição de 5,5% do lucro líquido, ao contrário dos últimos anos quando os bancários recebiam até 15% dos resultados. Cálculo do Dieese mostra que, dessa forma, somente os seis maiores bancos (BB, Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa, Santander e HSBC) reduziriam em R$ 1,2 bilhão o pagamento de PLR, em 2009, em relação ao ano passado.

Valorização dos pisos salariais. A categoria reivindica pisos de R$ 1.432 para portaria, R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese) para escriturário, R$ 2.763,45 para caixa, R$ 3.477,00 para primeiro comissionado e R$ 4.605,73 para primeiro gerente. Os bancos rejeitam a valorização dos pisos e propõem 4,5% de reajuste para todas as faixas salariais.

Preservação dos empregos e mais contratações. Seis dos maiores bancos do país estão passando por processos de fusão. Os bancários querem garantias de que não perderão postos de trabalho e exigem mais contratações para dar conta da crescente demanda. Os bancos se recusam a discutir o emprego e aplicar a Convenção 158 da OIT, que inibe demissões imotivadas.

Mais saúde e melhores condições de trabalho. A enorme pressão por metas e o assédio moral são os piores problemas que a categoria enfrenta hoje, provocando sérios impactos na saúde física e psíquica. A Fenaban não fez proposta para combater essa situação e melhorar as condições de saúde e trabalho.

Auxílio-creche/babá. A categoria quer R$ 465 (um salário mínimo) para filhos até 83 meses (idade prevista no acordo em vigor). Os bancos oferecem R$ 205 e querem reduzir a idade para 71 meses.

Auxílio-refeição. Os bancários reivindicam R$ 19,25 ao dia e as empresas propõem R$ 16,63.

Cesta-alimentação. Os trabalhadores querem R$ 465, inclusive para a 13ª cesta-alimentação. Os bancos oferecem R$ 285,21 tanto para a cesta mensal quanto para a 13ª.

Segurança. Os bancários querem instalações seguras e medidas como a proibição ao transporte de numerário, malotes e guarda das chaves. Também reivindicam adicional de risco de vida de 40% do salário para quem trabalha em agências e postos. A categoria defende proteção da vida dos trabalhadores e clientes.

Previdência complementar para todos. Os bancários reivindicam planos de previdência complementar para todos os trabalhadores, com patrocínico dos bancos e participação na gestão dos fundos de pensão.

Fonte: Contraf-CUT