greve_bragana.jpg

Crédito: Andrea Ono/Seeb Bragança
greve_bragana.jpg
Nesta segunda-feira, quinto dia de greve dos bancários, mais de 85% das agências bancárias de Bragança, Atibaia e Piracaia não abriram as portas. Em Bragança, 81% das permaneceram fechadas. Em Atibaia e Piracaia, que entraram paralisação hoje, a adesão é de 92% e 83%.

Houve interferência da Polícia em Piracaia; em Bragança, o Bradesco recebeu clientes pela porta destinada a quem usa marca passo e um usuário da Caixa Federal agrediu uma diretora do Sindicato, que orientava clientes sobre a paralisação. Em todas as unidades, há trabalhadores, para garantir o funcionamento de serviços essenciais, como os caixas-eletrônicos.

Nem aí para segurança

Mais uma vez, o Bradesco deu mais uma prova de que não se importa com nada, além do próprio bolso. Na agência da Cândido Rodrigues, em Bragança, que estava fechada, dirigentes do Sindicato explicavam os motivos da greve a quem estava na fila, quando uma funcionária abriu a porta de acesso lateral (restrita a quem usa marca-passo). Sem se importar com a segurança de clientes e funcionários, o Bradesco, que passa o ano inteiro direcionando clientes e usuários para correspondentes bancários, desta vez, fez questão de atender quem estava na fila.

Na Caixa Federal, um cliente agrediu fisicamente uma diretora do Sindicato, ao tentar forçar a entrada na agência de Bragança.

Fonte: Andrea Ono – Seeb Bragança