bradesco25-28092009_045.jpg

bradesco25-28092009_045.jpg
(João Pessoa) Desde a tarde desta segunda-feira, 28/09, quando a Tropa de Choque garantiu a abertura da agência Centro do Bradesco, de forma arbitrária, que a Polícia Militar da Paraíba está a serviço do Bradesco, mantendo uma viatura na porta de cada unidade da bilionária instituição financeira, para intimidar os bancários, que fazem uma greve legal, legítima, pacífica e ordeira. Enquanto a polícia do governador Maranhão marca presença no Bradesco, a população paraibana está à mercê da bandidagem.

Em recente entrevista a uma emissora de televisão da capital, o titular da Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social Pública da Paraíba – SEDS, Gustavo Ferraz Gominho, afirmou que a sua secretaria não dispunha dos recursos necessários para manter a segurança no Estado. Estranhamente, a polícia militar, um dos órgãos da secretaria de segurança pública, mantém uma viatura de plantão em cada uma das agências do Bradesco na capital. E quem estará pagando essa conta?

Indignado, o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcos Henriques, questionou a postura equivocada da Polícia Militar da Paraíba: “A PM está na frente do Bradesco para garantir o quê; o seu papel não é perseguir bandidos e garantir a ordem e a segurança da população; em vez de estar a serviço da bilionária instituição financeira, não deveria atender aos anseios da sociedade, no quesito segurança pública; quem está arcando com os custos dessa operação em favor do banco?”

Além dos questionamentos, criticou duramente a posição do governo do Estado em permitir essa arbitrariedade. “Os bancários são trabalhadores honestos, que têm todo o direito de reivindicar melhores salários e condições de trabalho, principalmente quando recorrem a um instrumento constitucional, que é a greve. A polícia deveria estar realmente fazendo o seu papel, agindo contra a bandidagem que assola o Estado e garantindo a segurança da sociedade que lhe mantém, inclusive os trabalhadores bancários, que são cidadãos pacíficos e ordeiros”, concluiu.

A greve continua firme e forte e os bancários não vão se deixar levar pelas intimidações. Assembleia logo mais, às 17h, no auditório do Sindicato dos Bancários da Paraíba (Av. Beira Rio, 3.100 – Tambauzinho).