"Noite dos Morcegos". Este foi o nome dado ao churrasco realizado na quarta-feira, dia 30, em frente à Superintendência do Banco do Nordeste de Sergipe, pelo Sindicato dos Bancários de Sergipe, em protesto aos empregados que durante a greve estão entrando na agência para trabalhar depois que são desmontados os piquetes. Além do churrasco, a bandinha de frevo animou os bancários e teve até o tema do Batman em "homenagem aos morcegos".

Segundo Elizeu Mann, o churrasco foi realizado com o intuito de manifestar a insatisfação com os "colegas" que insistem em entrar no banco às escondidas. "Nós nos colocamos à disposição na luta, que é coletiva, e alguns colegas, depois da 16h30, horário em que nos encaminhamos ao Sindicato para deliberar em assembléia, entram na Agência e trabalham até as 20h30", informa.

Elizeu acrescenta que o churrasco foi realizado para ironizar a ação destes bancários e acredita que a mensagem foi passada já que muitos voltaram para casa ao se deparar com a ação. Sobre a greve, Elizeu diz que este ano tem uma característica importante, pois o Banco do Nordeste (BNB), tanto em Aracaju como no interior, aderiu massivamente à mobilização.

"O movimento da greve depende muito do movimento de São Paulo e Rio de Janeiro, mas os bancários do BNB, por exemplo, a partir do terceiro dia, aderiram à greve de maneira contundente. Então, acredito que essa greve pode ser, em um balanço geral, a melhor dos últimos anos, pois entendemos que 2009 e 2010 são anos estratégicos para realizarmos nossas reivindicações", destaca.

Para Lucas Resende Meneses, do BNB de Laranjeiras, a manifestação em frente ao BNB foi uma ótima iniciativa. "Essa ação foi uma forma de protestar contra os bancários que estão trabalhando depois do horário de expediente do banco. A greve está forte e se não houver mobilização não o conseguiremos o reajuste a que temos direito", afirma.

Insegurança

Essa postura dos bancos de trabalhar após a saída dos piquetes coloca em riso a segurança dos "morcegos", uma vez que os vigilantes trabalham normalmente somente até as 18h. Há vários casos de assaltos que ocorreram em agências pelo Brasil afora no início da noite, aproveitando a fragilidade das condições de segurança dos estabelecimentos.

"Esperamos que os bancos apresentem uma proposta que atenda as reivindicações da categoria e possibilite o fim da greve. Assim será possível acabar com essa situação que põe em risco a vida dos trabalhadores", destaca o secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

Fonte: Edivânia Freire – Seeb Sergipe