Crédito: Seeb Alegrete
Seeb Alegrete A greve em Alegrete, no interior gaúcho, foi prejudicada por dois interditos proibitórios concedidos ao Bradesco e ao Banrisul. No caso do Bradesco, a agência foi reaberta na terça-feira, dia 29 de setembro, enquanto no Banrisul, após confronto entre sindicalistas, policiais militares e um empresário de comunicação local ocorrido no dia 30, a Justiça concedeu novo interdito ao banco. Em função da medida judicial, a unidade voltou a prestar atendimento na quinta-feira, 1º de outubro.

No início da manhã da quarta-feira, o proprietário de uma rádio local e um policial civil tentaram entrar à força na agência do Banrisul. Os dirigentes sindicais tentaram argumentar, mas sofreram ameaças.

Após uma séria discussão, que também envolveu três policiais militares à paisana, o diretor da Federação dos Bancários (Feeb/RS), Carlos Augusto Rocha, recebeu voz de prisão e juntamente com os demais sindicalistas foi levado à Delegacia de Polícia de Alegrete.

Segundo relato da diretoria do Sindicato, quando a situação parecia estar calma, um oficial da Brigada Militar invadiu a agência do Banrisul dando pontapés na porta da unidade. Com um revólver na cintura, ele ameaçou atirar nos sindicalistas e grevistas que faziam o piquete.

"Fomos agredidos por um brigadiano e vítimas de uma série de ameaças. É lamentável que nosso direito, garantido pela lei de greve, tenha sido suprimido com truculência e abuso de autoridade policial", ressalta Rocha.

Rocha também observa que alguns repórteres apareceram intempestivamente no local do conflito e começaram a entrevistar a população, incitando respostas contra a greve da categoria.

Além disso, um oficial de justiça esteve no local para averiguar as condições da greve. No fim do dia os dirigentes sindicais, que haviam agendado uma audiência com a juíza da Vara do Trabalho, receberam a notificação de interdito no Banrisul.

Fonte: Feeb/RS com informações do Seeb Alegrete