Crédito: Fetec/CUT-PR
Fetec/CUT-PR Nesta terça-feira (06), os trabalhadores bancários na diretoria regional e na agência central do Bradesco em Curitiba (localizadas no cruzamento das ruas Marechal Deodoro e Monsenhor Celso) somaram forças ao movimento grevista nacional dos bancários e amanheceram paralisados. O ato, em protesto à intransigência do banco, está sendo realizado pela Fetec/CUT-PR e mobiliza um número estimado de 200 bancários, que estão de braços cruzados desde as primeiras horas da manhã.

O Bradesco tem se mostrado, nesta Campanha Salarial, uma das instituições financeiras mais intolerantes e irresponsáveis. Em Curitiba, o banco foi o primeiro a recorrer à Justiça para privar seus trabalhadores do direito de greve, conseguindo um interdito proibitório contra o Sindicato da categoria já no dia 24 de setembro, quando o movimento foi deflagrado. No restante do país, práticas como esta e também o uso da força policial têm sido recorrentes.

Já na mesa de negociação, o Bradesco prefere ignorar as reivindicações dos trabalhadores bancários. Apesar da lucratividade de R$ 4 bi só no primeiro semestre de 2009, o banco se nega a propor aumento real, uma PLR justa e melhores condições de trabalho, expondo toda sua incapacidade de valorizar os trabalhadores. "O Bradesco, que é justamente o banco com um dos maiores lucros, é também o que está criando maiores dificuldades na mesa de negociação", lamenta Elias Jordão, presidente da Fetec/CUT-PR.

Na sede da diretoria regional do Bradesco em Curitiba, onde os trabalhadores amanheceram paralisados nesta terça, a indignação também prevalece. Segundo Elias Jordão, os bancários estão revoltados com a falta de flexibilidade e de respeito por parte do banco. "Está claro que o Bradesco não reconhece nem valoriza o esforço de seus trabalhadores. É por isso que nos manteremos fortes e unidos até que os bancos sejam capazes de fazer uma proposta decente", finaliza o presidente da Fetec/CUT-PR.

Fonte: Fetec/CUT-PR