Os empregados da Caixa têm mais um bom motivo para intensifcar a greve que já entra em seu 23º dia: na quinta-feira, à noite, a Caixa ajuizou dissídio junto ao TST – Tribunal Superior do Trabalho, provando que a direção da empresa mantém a aposta no conflito. O Comando Nacional dos Bancários repudia a atitude e reafirma a disposição para o diálogo que traga avanços na valorização dos funcionários do banco.

Na última quarta-feira, os empregados da Caixa recusaram a nova proposta apresentada ao Comando Nacional na noite da terça-feira, 14, seguindo a orientação do Comando Nacional, e a exemplo do que ocorreu nas principais bases país afora.

A Caixa apresentou um modelo próprio de Participação nos Lucros e Resultados, que varia entre R$ 4 mil e R$ 10 mil, de forma segmentada entre os diferentes cargos. Embora represente avanço financeiro, a proposta foi entendida como forma de dividir os funcionários.

Além disso, o banco não apresentou solução para problemas como isonomia de direitos, valorização do piso, respeito à jornada de seis horas e contratações suficientes para reduzir a sobrecarga de trabalho dos empregados e solucionar os problemas de atendimento.

Na quinta, maioria absoluta das bases no país votaram pela continuação da greve. Aqui, em Pernambuco, os empregados já decidiram que a greve segue, pelo menos, até segunda-feira. E, nesta sexta, promovem ato de protesto em frente à Agência Guararapes, no bairro de Santo Antônio, centro do Recife.

A concentração começa às 8 horas. A assembleia do dia é as 16 horas, no Sindicato, e terá caráter meramente avaliativo e de organização. O mesmo acontece com a assembleia do BNB, no mesmo horário e local. Os funcionários do banco também já votaram pela greve até segunda-feira, 19.

O 22º dia de greve da Caixa e do BB manteve forte o movimento. Na Caixa, os empregados do Recife mantiveram fechados o autoatendimento de três agências centrias: Teatro Marrocos, Conde da Boa Vista e Guararapes.

No BNB, houve protesto em frente à Agência Centro, na Conde da Boa Vista, no Recife, os funcionários protestaram contra o descaso do banco que, que optou pelo silêncio e pela pressão ao invés de avançar nas propostas, e há um ano promete e não cumpre rever o PCR – Plano de Cargos e Remuneração. Com bom humor, os grevistas dividiram com populares 200 bolos de bacia e 100 abacaxis durante a manhã da quinta-feira, 15.

Fonte: Sulamita Esteliam – SindBancários PE