Pelo segundo ano seguido, os bancários de Osasco terão de trabalhar em pleno feriado de emancipação da cidade, comemorado na sexta-feira 19. Isso porque a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) entrou na Justiça no ano passado, conseguindo que as agências e concentrações funcionassem normalmente.

"A postura dos bancos é um desrespeito a toda história de luta do município por sua emancipação política. Não concordamos e vamos prosseguir denunciando esse absurdo promovido pelos banqueiros", afirma o diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Alexandre de Almeida Bertazzo.

O dirigente explica que muitos bancários reclamam do transtorno causado por terem de trabalhar no feriado da cidade. "As escolas e creches não funcionam e muitos não têm com quem deixar os filhos. A medida desses bancos acaba gerando um transtorno familiar enorme", diz Bertazzo.

O desrespeito da Febraban motivou a aprovação unânime de uma moção de repúdio na Câmara Municipal de Osasco, apresentada pelo vereador Rubens Bastos (PT) contra os bancos.

Na Justiça – O Sindicato tem ação na Justiça solicitando que todos os bancários que trabalharam no feriado do ano passado recebam hora extra com remuneração em 100%. "Agiremos da mesma forma para todos que tiverem de trabalhar no aniversário de fundação de Osasco deste ano", acrescenta Bertazzo.

A entidade também acompanha a ação movida pela prefeitura contra a Febraban, exigindo que as instituições financeiras respeitem o feriado da cidade.

O município ganhou em primeira instância a manutenção do feriado aos bancários no dia 19 de fevereiro. Os banqueiros recorreram da decisão e conseguiram, em segunda instância, autorização para que todos os estabelecimentos bancários funcionassem normalmente no aniversário da cidade.

A Prefeitura recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ainda não julgaram a ação

Fonte: Jair Rosa – Seeb São Paulo