O britânico Barclays, segundo maior banco do Reino Unido, duplicou seus ganhos no ano passado, resultado que surpreendeu os analistas e impulsionou ontem os mercados em todo o mundo.

O banco, que recusou injeção de capital do governo, teve lucro líquido de 9,393 bilhões de libras (US$ 14,756 bilhões), valor 114% superior ao reportado em 2008.

Só no quarto trimestre, apurou ganhos líquidos de 6,9 bilhões de libras (US$ 10,8 bilhões), mais de oito vezes os 824 milhões de libras do mesmo período de 2008.

O resultado foi inflado pela venda da unidade Barclays Global Investor, maior gestora de fundos ETF (negociados como ação em Bolsa), à época por 6,3 bilhões de libras para a BlackRock, administradora de fundos.

Sem esse impacto, o lucro recorrente somaria 5,6 bilhões de libras antes de recolher impostos, 250% mais do que o 1,6 bilhão de libras recorrente do ano anterior.

As operações de atacado, reforçadas pela compra da "parte boa" do americano Lehman Brothers, tiveram crescimento de 89% nos ganhos anuais. Compensaram as atividades mais fracas no varejo, cujos resultados recuaram 55% no ano passado.

O resultado financeiro do Barclays agradou aos analistas, que viram tendência de retomada nos ganhos dos grandes bancos globais. As ações do banco subiram 6,79% ontem na Bolsa de Londres, que terminou com alta de 1,48% em seu principal índice. A Bolsa de Paris teve alta de 1,66%, e a de Frankfurt, de 1,47%.

Nos EUA, a Bolsa de Nova York teve alta de 1,68% no índice Dow Jones e de 1,80% no S&P 500, após permanecer fechada na véspera por conta do feriado do Dia do Presidente. Na Ásia, as principais Bolsas seguem fechadas devido ao feriado do Ano Novo chinês, com exceção de Tóquio e Seul, que tiveram alta de 0,22% e 0,46%. No Brasil, não houve pregão, em razão do Carnaval.

No mercado de câmbio, o euro recuperou terreno em relação ao dólar e foi negociado a US$ 1,3764, com alta de 1,3%. As principais commodities também subiram.

 
Fonte: Folha de São Paulo