A Contraf-CUT se reunirá com o Itaú Unibanco na próxima segunda, 1º de março, em São Paulo, para discutir o modelo de pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e da Participação Complementar nos Resultados (PCR) dos bancários, antecipado para esta sexta-feira 26.

"Vamos cobrar do Itaú Unibanco que todos os seus funcionários recebam a PLR cheia de 2,2 salários. O banco atingiu um lucro de R$ 10,5 bilhões no ano passado, maior que o de 2008. Não há justificava para que pague este ano uma PLR menor", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e funcionário do banco.

O banco informou que dos 88 mil bancários da instituição, os 46% que se encontram nas faixas salariais iniciais receberão os 2,2 salários de PLR. Os outros 54% embolsarão a regra básica (90% do salário mais R$ 1.024) majorada, porém, sem atingir o teto de 2,2 salários.

"Não concordamos com este cálculo e vamos exigir a PLR cheia a todos os bancários", conclui Cordeiro.

Fonte: Contraf-CUT