terremoto_chile.jpg
terremoto_chile.jpg
A Contraf-CUT enviou nesta terça-feira, dia 2, correspondência para a Confederação de Sindicatos de Bancários e Afins do Chile (CSTEBA) manifestando sua "mais sincera solidariedade por tantas vidas perdidas no terremoto e no tsunami que assolou o País na madrugada de sábado para domingo ultimo." O documento é assinado pelo presidente da Contraf, Carlos Cordeiro, e por seu secretário de Relações Internacionais, Ricardo Jacques.

Dados oficiais dão conta de que pelo menos 795 pessoas morreram no Chile em consequência do terremoto e da série de abalos registrados em seguida, segundo matéria da Agência Brasil. As áreas mais afetadas estão no Sul e Centro do país. Além disso, aproximadamente 1,5 milhão de casas foram destruídas, assim como estradas e prédios públicos e privados. Cerca de 2 milhões de pessoas foram afetadas pelo tremor. As estimativas indicam que 1,5 mil pessoas estão sem energia e 800 sem água.

A Organização das Nações Unidas (ONU) confirmou que enviará ajuda humanitária para os chilenos. Por determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve nesta segunda-feira, dia 1º, em Santiago, o governo brasileiro enviará dois helicópteros, um hospital de campanha da Marinha e uma equipe com 22 médicos, enfermeiros e auxiliares para o Chile.

"As imagens e informações que foram amplamente divulgadas no Brasil nos comovem e nos dão uma noção das grandes dificuldades que o povo chileno passa neste momento", afirma o documento enviado pela Contraf-CUT. "Diante de tantas vidas perdidas, desaparecidos e de tantas dificuldades provocadas aos atingidos pelo terremoto e o tsunami, a solidariedade de outros povos é fundamental para amenizar as dificuldades imediatas e iniciar a reconstrução das áreas atingidas."

Fonte: Contraf-CUT