O banco Santander abrirá 600 novas agências no Brasil até 2013 e deverá registrar uma expansão total do crédito em torno de 20% este ano, segundo informou hoje o vice-presidente de Assuntos Corporativos da instituição, Pedro Paulo Longuini. Para ele, que participou hoje de apresentação na Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais (Apimec) no Rio de Janeiro, a projeção de crescimento do crédito total se baseia na estimativa de mercado.

Ele avaliou que, ao contrário do que ocorreu no ano passado, a expansão das concessões ocorrerá de forma similar nos bancos públicos e privados. "No que diz respeito ao crédito imobiliário, os bancos públicos sempre terão vantagem, mas os outros segmentos devem mostrar equilíbrio maior este ano, com aumento das concessões", disse.

Segundo ele, com as novas unidades a serem abertas em várias regiões do País, o Santander vai totalizar 2.691 agências, além de 1.502 postos de atendimento.

De acordo com o executivo, o Brasil responde hoje por 20% dos negócios do banco, enquanto a Espanha tem uma fatia de 26%. Longuini acredita que a tendência é de aceleração da participação brasileira nos negócios do grupo, já que a economia local está crescendo com maior velocidade que a espanhola.

Longuini disse que a mudança de governo que ocorrerá no Brasil, no início do ano que vem, não preocupa. "Acreditamos na continuidade dos avanços sociais e econômicos, independentemente do novo governo", afirmou.

O executivo afirmou ainda que o processo de integração entre o Santander e o Banco Real está ocorrendo satisfatoriamente e, no caso das agências, a integração ocorrerá a partir do segundo semestre de 2010.

Fonte: Agência Estado / Jacqueline Farid