Quando Clara Zetkin propôs a criação de um Dia Internacional da Mulher, há 100 anos, durante a 2.ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, esperava que a data representasse a unidade de todas para transformar a sociedade machista em um modelo justo, igualitário e capaz de respeitar as diferenças. Caso estivesse viva e caminhasse por Campinas na tarde dessa segunda-feira (8), certamente a alemã ficaria orgulhosa.

Por volta das 16h, no Largo do Rosário, região central do município a 100km da capital paulista, era possível ouvir um grupo de piauienses cantar que a luta das mulheres pelo poder é difícil, mas precisa acontecer. Diziam mais: que vieram do Piauí fazer barulho em terra alheia, como tantas outras de todo o País farão até o dia 18 de março, quando a terceira ação internacional da Marcha Mundial de Mulheres terminará,na Praça Charles Miller, diante do estádio do Pacaembu.

Até lá, a mobilização seguirá por Valinhos (9), Vinhedo (10), Louveira (11), Jundiaí (12), Várzea Paulista (13), Cajamar (14), Jordanésia (15), Perus (16) e Osasco (17), em uma rotina que inclui acordar por volta das 4h30, iniciar a caminhada rumo á próxima cidade, se alimentar e no período da tarde, participar de oficinas de formação (leia a programação completa abaixo).

No ato inaugural da caminhada, cerca de 3 mil companheiras cobriram em instantes as calçadas campineiras com o lilás das camisetas, bonés, faixas e bandeiras em defesa do acesso irrestrito a bens comuns e serviços públicos, paz e desmilitarização, autonomia econômica e o fim da violência contra as mulheres, eixos da ação que tem como tema "Seguiremos livres até que todas sejamos livres".

Entre as manifestantes estavam pessoas como Maria da Luz, de 47 anos, viúva, mãe de três filhos, que deixou a família em Teresina e viajou três dias para lutar por igualdade. "Além da discriminação em relação aos homens na hora de contratar, ganhamos menos que eles fazendo as mesmas coisas. Queremos acabar com isso em nosso Estado", disse ela que trabalha como cobradora de ônibus.

CUT feminista e de luta

De acordo com Rosane Silva, Secretária da Mulher Trabalhadora da CUT, a central deve levar à caminhada cerca de 700 mulheres.

A expectativa é que além dos pontos citados, a mobilização dê visibilidade a temas do mundo do trabalho. "Iremos trazer à pauta geral os debates que estão sendo travados pelo movimento sindical como a redução da jornada de 44 para 40 horas, o acesso a creches públicas de boa qualidade e a ratificação da convenção 156 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) – norma que assegura a igualdade de oportunidades para homens e mulheres."

Para o Secretário Geral da CUT, Quintino Severo, a luta das mulheres é a luta da classe trabalhadora. "Esperamos que a marcha seja um importante instrumento de conscientização da sociedade brasileira sobre as desigualdades que existem entre homens e mulheres, especialmente na política e no local de trabalho, onde há poucas ainda em cargos de liderança. Acredito que essa manifestação permitirá discutir essa discriminação e apontar a urgência de superá-la."

A Secretária de Comunicação da Central, Rosane Bertotti, ressaltou que as eleições em 2010 também colocam na ordem do dia a necessidade das mulheres ocuparem os espaços públicos. "O ato que inicia hoje demonstra uma imensa capacidade de luta e organização. Precisamos manter esse espírito para avançarmos mais para conquistarmos direitos que ainda nos são negados como a divisão de responsabilidades nos cuidados com os filhos e o salário igual para trabalho de igual valor."

Presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços (Contracs), Lucilene Binsfeld, a Tudi, esteve presente na manifestação e reforçou a necessidade de corrigir discrepâncias inexplicáveis. "Precisamos conquistar aliados que defendam propostas capazes de contribuir para a construção de um Estado realmente democrático, como a equiparação de direitos das trabalhadoras domésticas com os demais trabalhadores, o fim do trabalho aos domingos e a descriminalização do aborto. Estamos demonstrando hoje que não podemos ficar paradas enquanto as coisas acontecem."

Ô abre alas, que elas querem passar

Segundo Sônia Coelho, da Marcha Mundial de Mulheres, o momento é de apontar políticas para frear a exploração da mulher. "Não temos uma pauta principal porque todas se relacionam: desde o fim da desigualdade e da mercantilização das mulheres, até um basta à violência e a falta de acesso a bens comuns como terra e emprego. Aí, entra também a questão da soberania alimentar e a necessidade de expressar a solidariedade entre companheiras de todo o mundo que precisam combater a militarização em todo o planeta", comentou.

Ela acrescentou que o Brasil avançou com a criação da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, mas destacou a necessidade de maior ousadia no combate à desigualdade.

Às sete da noite, de mãos dadas e por cerca de quatro quilômetros, as manifestantes seguiram aem marcha até o o Ginásio Rogê Ferreira, onde dormiram acomodadas em colchonetes. Logo pela manhã, como costuma ser para a maioria delas, a batalha continua. Faça ou faça chuva.

3ª Ação Internacional da Marcha Mundial de Mulheres – Brasil
De 8 a 18 de março

09/03 (terça-feira) – Valinhos
Trabalho doméstico e de cuidados: um debate sobre a sustentabilidade da vida humana, seguida de debate sobre a história da Marcha Mundial das Mulheres e suas lutas.
Local: Parque do Figo (Parque Municipal Monsenhor Bruno Nardini) Rua Dom João VI, s/nº – Jardim Planalto.

10/03 (quarta-feira) – Vinhedo
Painéis temáticos sobre:
Economia Solidária e Feminista;
Saúde da mulher e práticas populares de cuidado;
Sexualidade, autonomia e liberdade;
Educação não sexista e não racista;
Mulheres negras e a luta anti-racista;
Mulheres indígenas;
A mídia contra-hegemônica e a luta feminista;
A mercantilização do corpo e da vida das mulheres;
Prostituição;
Mulheres, arte e cultura.
Local: Parque Jayme Ferragut – Estrada da Boiada, s/n;

11/03 (quinta-feira) – Louveira: Trabalho das mulheres e autonomia econômica, com a presença de Helena Hirata. Local: Área de Lazer do Trabalhador (Parque da Uva) Rodovia Romildo Prado, km 1 F: 19- 38781357

12/03 (sexta-feira) – Jundiaí: Soberania Alimentar, justiça ambiental e luta por território. Centro Educacional Aramis Poli – R. Benedito de Godoy Ferraz, 508

13/03 (sábado) – Várzea Paulista: Ato público com lançamento de livro sobre o histórico do 8 de março, debate sobre o histórico do movimento feminista e show cultural. Local: Av. Projetada ao lado do Espaço Cidadania e da Prefeitura.

14/03 (domingo) – Cajamar:A luta contra a violência sexista
Local: Rodovia Anhanguera, Km 46,5. Caixa Postal, 530. Capital Ville. Jordanésia – Cajamar/SP (11) 4898.0003

15/03 (segunda-feira) – Jordanésia: Maternidade como decisão e não como destino: debate sobre nossas experiências.Local: Rua Vereador Joaquim Barbosa, 827 – Cajamar/ SP – Fone: 4447-4550.

16/03 (terça-feira) – Perus: Paz e desmilitarização; debate sobre a luta pela transformação da sociedade com Aleida Guevara, lutadora cubana, filha de Che Guevara. Local: Rod. Anhanguera, Km 25,5 s/n – São Paulo – F: 11- 3916.6200/ 3911.0191

17/03 (quarta-feira) – Osasco: Integração dos povos como alternativa e o papel do Estado. Local: Sindmetal – Rua Luiz Rink, 501 – Rochdale – Osasco – SP – Tel./Fax: 3686-7401

18/03 (quinta-feira) – São Paulo: Encerramento com ato público. Local: Estádio Pacaembu – Rua Capivari, 213
Programação cultural: ao longo dos dias, articuladas às atividades de formação, haverá exibição de filmes, música, poesia, teatro e apresentações culturais dos estados.

Fonte: CUT