A Caixa Econômica Federal registrou lucro líquido de R$ 812,4 milhões no primeiro trimestre deste ano. Isso representa um crescimento de 4,5% em relação ao mesmo período de 2010, quando obteve lucro de R$ 777,5 milhões. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, dia 13, pelo banco.

O empregado da Caixa e secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT, Plínio Pavão, afirma que "esse resultado é fruto do empenho dos trabalhadores, que não medem esforços para cumprir o papel social da instituição". Ele ressalta que o atendimento aos clientes e à população poderia ser melhor se fossem contratados mais empregados, reduzindo as longas filas de espera nas unidades e melhorando as condições de trabalho".

Números do balanço

Segundo a Caixa, o resultado se deve às operações de crédito, com concessões de R$ 46,3 bilhões, e do aumento de 13,5% no número de contas correntes.

As receitas de operação de crédito totalizaram R$ 6,2 bilhões e as de serviços registraram R$ 2,8 bilhões, crescimentos respectivos de 48,3% e 15,1%.

No acumulado de 12 meses, as operações de crédito do banco cresceram 41,5%, mais que o dobro em relação ao mercado (20,7%), totalizando R$ 190,5 bilhões.

De acordo com o banco, esse crescimento foi influenciado pelo crédito imobiliário, que atualmente é responsável por 61,5% das operações. As reservas que o banco faz para quem não saldar a dívida representam 6,4% da carteira.

O patrimônio liquido da Caixa atingiu R$ 17,5 bilhões, uma evolução de 27,2%, quando comparado ao primeiro trimestre do ano passado, e o retorno médio foi de 21,3%. Os valores dos repasses, com tributos e encargos sociais, à União, estados e municípios, somaram R$ 1,1 bilhão no trimestre.

Habitação

No primeiro trimestre, o banco investiu R$ 14,5 bilhões em habitação, saldo de R$ 117,1 bilhões. Em relação ao mesmo período do ano passado, a evolução é de 50,5%, o que representa 75,8% do mercado de crédito imobiliário.

Do valor total de financiamentos, R$ 7,8 bilhões foram realizados com recursos da poupança, responsáveis por 44,7 mil unidades habitacionais, e R$ 5,2 bilhões, com linhas que utilizam o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), que totalizaram 75 mil moradias.

Além disso, foi destinado R$ 1,2 bilhão para subsídios e R$ 188,9 milhões para consórcio e arrendamentos residenciais.

Das unidades financiadas até março, 41% foram destinadas a pessoas na faixa de renda de até seis salários mínimos, onde se encontra o maior deficit habitacional.

Segundo a Caixa, até o último dia 7, o banco já tinha destinado R$ 6,6 bilhões ao Programa Minha Casa Minha Vida. O beneficio foi para mais de 360 mil pessoas e, foram financiadas, 90 mil novas moradias.

Fonte: Contraf-CUT com Folha.com