Crédito: Jailton Garcia/Rede de Comunicação dos Bancários
Jailton Garcia/Rede de Comunicação dos Bancários
Professor Pedro Chadarevian fala na mesa sobre igualdade de oportunidades

O trabalhador negro é o último a ser contratado e o primeiro a ser demitido. A afirmação é do professor de Economia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Pedro Chadarevian, no painel sobre Igualdade de Oportunidades, que deu início aos trabalhos da 13ª Conferência Nacional dos Bancários. O evento começou nesta sexta-feira 29 e vai até domingo.

Palestrante convidado, Chadaverian é doutor pela l’IHEAL-Université de Paris 3, Sorbonne-Nouvelle. Sua tese de doutorado foi sobre a discriminação racial no Brasil e resultou no livro "Économie Politique du Racisme au Brésil: de L’abolition de L’esclavage à L’adoption des Politiques d’action Affirmative" (Economia Política do Racismo no Brasil: da abolição da escravatura à adoção de políticas de ação afirmativa), ainda sem tradução para o português.

O economista fez um resgate histórico sobre o problema da discriminação no Brasil e no mundo. Segundo ele, "existe uma estrutura hierarquizada que leva em conta atributos físicos para ascensão na carreira, fazendo com que determinados postos de comando sejam uma subrepresentação de grupos sociais dominantes".

Meritocracia não se confirma na prática

A pesquisa aponta que as mulheres já são maioria no ensino superior, inclusive em áreas de excelência, porém no mercado de trabalho elas continuam enfrentando maior dificuldade de progressão, provando assim que a visão dominante sobre "meritocracia" não se confirma na prática. "De acordo com o mérito individual, bastaria um investimento de capital humano. Mas há contradição nisso, porque o acesso está vinculado às possibilidades econômicas. Não basta só estudar, há algo que vai além disso".

O estudo ainda mostra que os brancos são maioria entre os ricos e os pobres são predominantemente não-brancos. "Quando a gente olha pra base, para o que há de mais degradante na sociedade, vemos não brancos. Assim como no topo da pirâmide, há a predominância de brancos".

Os brancos ocupam 70% das vagas das universidades, possuem remuneração duas vezes superior e estão em ocupações de maior prestígio. Pobres realizam atividades manuais, informais, são moradores de rua, sem terra e as maiores vítimas de violência. Para o economista, "a divisão racial do trabalho é o que gera subempregos aos negros em atividades que não possibilitam o acesso social".

Ação sindical reduz desigualdades

A pesquisa mostra o impacto da ação dos movimentos sindicais e sociais na luta contra as desigualdades. "A ação sindical tem sido fundamental para reduzir os mecanismos de discriminação que estão presentes no mercado de trabalho", afirma Pedro. Por outro lado, ele lembra que há o discurso dominante, presente nos manuais de economia, que considera o sindicato como um mal a ser combatido. "Há uma verdadeira criminalização do movimento sindical, com o argumento de que o sindicato gera desemprego, coíbe os avanços tecnológicos e promovem inflação".

Porém, a tradição crítica recuperada por Pedro Chadaverian mostra o efeito benéfico da luta sindical como regulador do mercado de trabalho atuando na manutenção do nível salarial, garantindo condições dignas de trabalho e reduzindo as desigualdades. Setores com alta presença de negros têm baixa sindicalização; setores com alta sindicalização têm melhor remuneração; a presença de sindicatos reduz diferenças salariais; e a divisão racial do trabalho é amenizada em setores mais sindicalizados.

Transversalidade

Durante o debate, a diretora de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Deise Recoaro, lembrou que os bancários têm muito que se orgulhar, afinal é a primeira categoria em toda a América a conquistar uma cláusula de igualdade de oportunidades em sua convenção coletiva de trabalho.

"É um motivo de orgulho e também uma responsabilidade muito grande em fazer avançar o tema de combate a todo tipo de discriminação. E a estratégia que o Comando Nacional adotou no ano passado de transversalizar essa discussão em todas as mesas de trabalho, além de ousada, é um passo importante nessa luta".

Fonte: Rede de Comunicação dos Bancários / Clara Quintela, Evando Peixoto e Júnior Barreto