Os bancários estão em greve e a culpa é toda dos banqueiros. Essa foi a única alternativa que restou aos trabalhadores diante da proposta apresentada pelos bancos, que passa longe do que os bancários querem, que é emprego decente, com melhores condições de trabalho e aumento de salário acima da inflação, incluindo também atendimento de qualidade, fim das filas, tarifas e juros mais baixos e mais crédito para a população. 

Tentamos negociar, mas o que os patrões querem é pagar pouco e ainda retirar direitos. 

Nossa intenção não é a de prejudicar a população, tanto é que os caixas de autoatendimento podem ser usados livremente. Estamos em greve porque queremos ver atendidas nossas reivindicações que, como você pode ver, também dizem respeito a todos que utilizam os serviços bancários.

Os bancos são as empresas que mais lucram no Brasil e as mais irresponsáveis socialmente também, apesar de divulgarem o contrário na mídia. A cada ano, são bilhões de reais em lucros, graças à cobrança de tarifas e juros extorsivos da clientela. Só para se ter uma ideia, somente nos seis primeiros meses de 2011, os bancos que atuam no Brasil lucraram, ao todo, cerca de R$ 60 bilhões. Em algumas instituições financeiras, o valor das tarifas que cobram pelos serviços é tão alto que cobre a folha de pagamento dos funcionários e ainda sobra dinheiro.

Todo esse lucro, porém, não é revertido em benefícios nem dos bancários nem da clientela. Pelo contrário. As filas nas agências aumentam a cada dia e o atendimento só piora, tudo porque os bancos demitem e se recusam a contratar mais funcionários. O resultado são agências lotadas e bancários sobrecarregados, muitos deles adoecendo por causa de tanta demanda.

Além do mais, os bancos chegaram ao absurdo de dizer, repetindo o discurso do governo federal, que não podem conceder aumento real (acima da inflação) porque isso geraria inflação, agravando ainda mais o cenário de instabilidade causado pela crise econômica internacional. Nem os trabalhadores nem a população devem aceitar esse discurso mentiroso: queremos mais renda, mais empregos, de modo a aumentar o consumo e fortalecer o mercado interno – é assim que enfrentaremos a crise, como foi feito recentemente pelo próprio governo.

Não bastasse isso, os bancos não cumprem as normas de segurança, pondo em risco a vida de bancários, vigilantes e clientes. Isso é indecente! Por tudo isso é que os bancários cruzaram os braços. Lamentamos os transtornos causados, mas reforçamos: a greve foi o último caminho encontrado para pressionar os patrões a atender nossas justas reivindicações. Pedimos o seu apoio e a sua compreensão nessa luta que é de todos nós.

 

A luta dos bancários tem a ver com você.

Mais contratações. Isso representa, além de diminuição do desemprego, mais pessoal para atender a clientela, ou seja, menos filas e atendimento de qualidade. Mais segurança nas agências significa preservar vidas.

Redução de tarifas e de juros, medidas que favorecem diretamente o bolso da população porque incrementam o consumo e os investimentos em todos os setores da economia, promovendo a geração de mais renda e emprego.

Maior concessão de crédito pelos bancos privados, como o Bradesco, significa mais dinheiro circulando, seja por meio de empréstimo pessoal ou de financiamentos, dinamizando a economia e alavancando o desenvolvimento do país.

Fonte: SEEB-DF