Crédito: Seeb Brasília
Seeb Brasília
Mobilização conjunta fortalece movimento dos trabalhadores

Bancários e trabalhadores dos Correios uniram forças para enfrentar a intransigência dos patrões que não negociam com as categorias. Munidos de apitos, de faixas e com muita disposição, as duas categorias se reuniram em uma assembleia conjunta na quinta-feira (29), em frente ao edifício sede dos Correios, no Setor Bancário Norte, em Brasília.

Também participaram da atividade os sindicatos dos comerciários, dos trabalhadores em limpeza urbana, dos vigilantes, de transportadores de valores, dos empregados de conselhos e ordens de fiscalização profissional e entidades colegiadas e afins, entre outros.

"A unificação das lutas dos bancários, dos funcionários dos Correios e de outras categorias é fundamental para a vitória dos trabalhadores. Temos que mostrar aos patrões que não vamos nos deixar derrotar", afirmou o presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília, Rodrigo Britto, durante a assembleia conjunta.

Em conversa com os trabalhadores que participavam da assembleia, a deputada federal e ex-presidenta do Sindicato dos Bancários Erika Kokay (PT-DF) destacou a importância da luta das categorias.

"Venho prestar o meu completo apoio a esses trabalhadores. Sou bancária há quase 30 anos e sei que são essas ações e a unidade que constroem as vitórias. Foi a nossa mobilização que impediu que os Correios e os bancos públicos fossem privatizados", observou.

Defendida pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), a unificação da data base dos trabalhadores é essencial para fortalecer a mobilização em prol de objetivos comuns, assim como está ocorrendo com os bancários e os trabalhadores dos Correios.

"As empresas estatais não podem agir com a mesma lógica de um grupo privado que só visa o lucro. Elas precisam priorizar os trabalhadores e a população durante as ações de sua gestão. A mesma data base para os trabalhadores é mais um instrumento para pressionar essas instituições a valorizarem seus empregados", frisou o secretário de Organização da CUT Nacional, Jacy Afonso, que também é bancário.

Cresce adesão à greve dos bancários

Bancários de todo o país, incluindo os do Distrito Federal, continuaram mobilizados nesta quinta-feira (29), terceiro dia de greve nacional da categoria. A greve segue forte e mantém 95% das agências e postos de trabalho fechados.

Correios

"Os representantes dos Correios estão oferecendo uma proposta rebaixada para nossa categoria. A atual direção da empresa está com uma política de desvalorização dos empregados. Por isso, intensificaremos nossa greve para arrancar uma proposta que contemple nossas reivindicações", ressaltou a presidenta do Sindicato dos Correios no Distrito Federal, Amanda Corcino.

Os trabalhadores dos Correios, que iniciaram a greve em 13 de setembro, reivindicam melhores condições de trabalho, aumento real, auxílio creche para todos os empregados, entre outros itens.

Fonte: Thaís Rohrer – Seeb Brasília