Em assembleia realizada no final da tarde deste domingo, dia 16, os bancários de Curitiba aprovaram as propostas apresentadas na sexta-feira, dia 14, pela Fenaban, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Mais de mil funcionários de bancos públicos e privados participaram, seguindo a orientação do Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT.

As propostas são resultado de 18 dias de greve nacional dos bancários, a maior dos últimos 20 anos. A proposta da Fenaban inclui reajuste salarial de 9% (um aumento real de 1,5%), valorização do piso da categoria para R$ 1.400 (aumento real de 4,3%) e melhorias na PLR, com aumento da parcela fixa da regra básica para R$ 1.400 (reajuste de 27,2%) e do teto da parcela adicional para R$ 2.800 (reajuste de 16,7%). Há ainda cláusula que coíbe o transporte de numerário por bancários e outra que prevê o fim da divulgação de rankings individuais dos funcionários, combatendo o assédio moral.

Os dias de greve não serão descontados, mas serão compensados em até duas horas por dia, de segunda a sexta-feira, até o dia 15 de dezembro e, assim como nos anos anteriores, eventual saldo após esse período será anistiado.

As propostas específicas do BB e da Caixa também apresentam melhorias para os bancários, envolvendo questões de carreira e condições de trabalho, dentre outras. "Entre os principais avanços, destacam-se a PLR social e a contratação de 5 mil empregados na Caixa e a valorização do plano de cargos e salários no BB", salienta o presidente da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT