age_17102011_125_red.jpg
age_17102011_125_red.jpg
Cerca de 300 bancários presentes à assembleia realizada na segunda-feira, dia 17/10, no Sindicato dos Bancários da Paraíba, aprovaram as propostas apresentadas pela Fenaban e pelas direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A greve continua no BNB, pois a proposta apresentada pelo Banco não contempla as reivindicações dos funcionários que seguem firme na paralisação em todo o Nordeste.

A greve, que completou 21 dias na segunda-feira, 17/10, conquistou aumento real de salário pelo oitavo ano consecutivo, valorização do piso e PLR maior entre outros pontos conquistados após muita luta.

Para o presidente do Sindicato dos Bancários da Paraíba, Marcos henriques os bancarios estão de parabéns pela garra com que enfrentaram mais uma queda de braços com os banqueiros. "É verdade que não conseguimos o que pretendíamos, mas ante as adversidades da conjuntura a unidade do movimento garantiu avanços importantes tanto nos bancos públicos quanto nos privados, à exceção do BNB, onde a luta continua", arrematou.

Confira o resumo das propostas:

Fenaban – A proposta aprovada durante a assembleia garante aos bancários de bancos privados um reajuste de 9% sobre todas as verbas, representando o aumento real de 1,5%. Além disso, garante reajuste de 12% no piso, com aumento real de 4,3%. A regra básica da PLR contempla 90% do salário mais R$ 1.400,00, com teto de R$ 7.827,29; já a parcela adicional da PLR corresponde a 2% do lucro líquido distribuídos linearmente, com teto de R$ 2.800,00. Os dias parados não serão descontados, mas compensados até 15 de dezembro de 2011. Eventual saldo após essa data será anistiado.

BB – A proposta aprovada pelos funcionários do BB garante reajuste de 9% em todas as verbas e benefícios; o piso passa a ser de R$ 1.760,00, com reflexo na curva do PCR; trava reduzida para um ano em caso de concorrência de posto efetivo para comissionamento; instalação em até 30 dias de mesas temáticas para debater PCR, PC e Jornada de Trabalho, além de 1.000 bolsas de graduação e 500 bolsas de pós graduação.

CEF – A proposta da CEF também garante reajuste de 9% em todas as verbas; manutenção da PLR social com distribuição de 4% do lucro líquido de forma linear para todos, além da regra básica e parcela adicional da PLR da Fenaban; ampliação do quadro em 5 mil empregados até o final de 2012; não descontos dos dias parados com compensação até 15/12; valorização do piso, entre outros avanços.

Fonte: SEEB – PB, com SEEB- CE.