Os bancários do BNB em Pernambuco voltam a cruzar os braços nesta segunda-feira, dia 24, quando retomam a greve por tempo indeterminado. O objetivo é engrossar a paralisação nacional para pressionar o banco, que insiste em não atender as reivindicações específicas dos funcionários na mesa de negociação. A decisão de retomar a greve foi tomada em assembleia realizada pelo Sindicato no início da noite desta sexta-feira, 21.

De acordo com Alan Patrício, diretor do Sindicato e representante de Pernambuco na Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, os bancários decidiram retomar a greve depois de reavaliar o andamento das negociações específicas com a empresa.

“Fizemos uma assembleia bastante representativa, com a participação de mais de 50 bancários de diversas agências e departamentos do banco. Pudemos debater com calma o impasse que tomou conta da mesa de negociação e a situação da greve nacional. Entendemos que a melhor opção foi retomar a greve, até porque Pernambuco é a terceira maior base do BNB e a paralisação aqui é fundamental para pressionar o banco e contribui com o movimento nacional”, diz Alan.

Os bancários do BNB entraram em greve no último dia 27 de setembro, junto com toda a categoria. Após 21 dias de paralisação, os funcionários do banco no estado decidiram retornar ao trabalho mas, como a negociação não avançou, optaram por retomar a greve agora. “Para garantir os avanços que queremos no nosso acordo específico, temos de construir uma grande greve. Por isso, a participação de cada funcionário é fundamental para o sucesso do movimento”, ressalta Alan.

A pauta de reivindicações dos bancários do BNB tem 76 cláusulas. Entre os principais pontos estão a isonomia de tratamento, transparência nos processos internos de concorrência e a revisão do PCR (Plano de Carreiras e Remuneração).

Depois de 21 dias de greve, o BNB apresentou uma nova proposta de acordo para as reivindicações específicas dos funcionários. Embora ela apresente avanços, ainda há itens importantes da pauta de reivindicações que ficaram de fora.
 

Entre outros pontos, o banco se comprometeu a seguir o reajuste da Fenaban de 9% para todas as verbas e benefícios. O piso também teria o mesmo índice de reajuste, sendo elevado dos atuais R$ 1.600 para R$ 1.744.


A Participação nos Lucros e Resultados (PLR) seguiria a regra da Fenaban, sem teto, limitado a 9% do lucro líquido do banco, mais a PLR Social de 3% do lucro líquido, distribuído de forma linear. O BNB propôs ainda a concessão de Promoção Especial para todos os empregados que estão atualmente nos níveis 1, 2, 3 e 4 da carreira de Analista Bancário (PCR), que subiriam dois níveis na carreira.

Nova assembleia – O Sindicato realiza nova assembleia com os bancários do BNB para avaliar a greve e discutir os próximos passos da luta. O encontro será nesta terça-feira, dia 25, às 17h, na sede do Sindicato (Av. Manoel Borba, 564, Boa Vista, Recife).

“Os bancários devem ficar atentos ao site do Sindicato, pois se houver negociação na segunda-feira a assembleia será antecipada. O Comando Nacional dos Bancários, organizado pela Contraf-CUT, estará em Brasília nesta segunda para continuar pressionando o governo e o parlamento para garantir a solução do impasse no BNB”, afirma Alan.

 

Fonte: Seec PE
Criado por: Fábio Jammal