Crédito: Seeb Alagoas

Seeb Alagoas A Secretaria de Defesa Social (SDS) e demais os órgãos que integram a área de segurança pública em Alagoas anunciaram na manhã desta quarta-feira (16) diversas medidas para intensificar o trabalho de combate aos assaltos. Uma delas é aumentar o efetivo da Seção de Roubos a Bancos, que terá mais homens de inteligência das polícias civil e militar. Serão reforçados ainda o policiamento ostensivo e preventivo, bem como as investigações para capturar os assaltantes. 

As medidas foram anunciadas durante reunião da cúpula da Segurança Pública com o Sindicato dos Bancários de Alagoas. Participaram da reunião, além do secretário adjunto da Defesa Social, Paulo Cerqueira, o sub-comandante da Polícia Militar, Dimas Cavalcante, e a delegada da Seção de Roubos a Bancos, Maria Angelita, além de representantes do BB, Caixa e Bradesco.

As instituições financeiras, sobretudo a Caixa e o BB, também prometeram medidas para melhorar a segurança das agências e caixas eletrônicos.

Os diretores do Sindicato foram recebidos na Secretaria de Defesa Social pela segunda vez e voltaram a expor o quadro de medo, insegurança e problemas de saúde que os bancários estão enfrentando. O presidente do Sindicato, Jairo França, responsabilizou não só a segurança pública pelo estado de calamidade que aflige a categoria, mas também os bancos, devido a postura de descaso e omissão com que tratam a segurança dos funcionários e clientes.

Esse descaso, destacou Jairo, é ainda mais gritante nos bancos privados, como é o caso do Bradesco, que abriu mais de 20 agências no interior e não colocou portas de segurança.

Além das medidas anunciadas pelos órgãos de segurança e das promessas feitas pelo BB, Caixa e Bradesco, o Sindicato quer mais. Neste sentido, propôs a inclusão da Polícia Federal e do Ministério Público nos esforços concentrados para combater os assaltos e os assaltantes. Os dois órgãos, lembrou o diretor do Sindicato, Juan Gonzalez, são os que fiscalizam o cumprimento das leis por parte das instituições financeiras, a exemplo da lei dos tapumes (que evita os crimes de saidinha de banco) e a lei de segurança bancária (que não permite o transporte de valores por bancários e exige itens de segurança nas agências).

"Tem banco, como o Itaú, que quer tirar a porta giratória, e que entrou com ação na Justiça para não cumprir a lei dos tapumes", disse o dirigente sindical.

O diretor do Sindicato, Márcio dos Anjos, destacou que a luta dos bancários é por medidas que priorizem e protejam a vida. A maioria das medidas adotadas pelos bancos, segundo ele, é para proteger o patrimônio.

O Sindicato entregou um dossiê às autoridades da segurança pública com um mapa dos assaltos em Alagoas e a repercussão dos casos na imprensa, onde a mídia destaca a fragilidade do aparelho de segurança pública e da segurança bancária. De acordo com o dossiê, aconteceram 21 ataques a bancos e clientes somente nos primeiros meses deste ano.

Confira algumas medidas anunciadas pela SDS e os bancos para minimizar os assaltos:

– aumento do efetivo para a Seção de Roubos a Bancos;

– mais rondas da Polícia Militar no interior do Estado, principalmente nas imediações de agências bancárias, dos Correios e lotéricas;

– alteração no retardamento de abertura dos cofres do BB, que passa para 30 minutos;

– abastecimento com menos dinheiro nos caixas eletrônicos do BB;

– não abastecimento dos caixas eletrônicos do BB às sextas-feiras;

– palestras sobre segurança preventiva nas agências;

– palestra do DEIC (Divisão Especial de Investigação e Capturas), em conjunto com o Sindicato, para toda a categoria bancária.

– outras de caráter sigiloso.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Alagoas