dsc_8194.jpg
Crédito: Seeb PB
dsc_8194.jpg
1ª Conferência Regional ocorreu em Fortaleza

Durante os dias 13, 14 e 15, em Fortaleza, 140 bancários de todo o Nordeste estiveram reunidos na 1ª Conferência Regional da Fetrafi/NE. O evento serviu para definir a pauta dos bancários da região que será levada à 14ª Conferência Nacional dos Bancários, a ser realizada entre os dias 20 e 22, em Curitiba (PR).

Na plenária final, ocorrida na manhã do domingo, os bancários do Nordeste aprovaram 5% de aumento real; PLR de três salários + verbas fixas de natureza salarial; contratação da remuneração total do trabalhador; piso salarial equivalente ao salário mínimo ideal calculado pelo Dieese (em julho no valor de R$ 2.416,38); melhores condições de trabalho, fim das metas abusivas, combate ao assedio moral; fim da terceirização, mais segurança para trabalhadores e clientes, entre outros pontos.

As discussões foram realizadas em grupos, no sábado, quando os bancários se dividiram por temas: Emprego; Remuneração; Saúde, Condições de Trabalho e Segurança Bancária e Sistema Financeiro.

O presidente da Fetrafi/NE e do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra, disse que esses fóruns democráticos de discussão são importantes até como forma de fortalecer a mobilização da categoria. "Os bancos não têm do que reclamar, pois seus lucros são cada vez mais crescentes. Vamos apostar no diálogo, mas, se os banqueiros não valorizarem o debate, nós teremos que nos mostrar unidos e mobilizados para combater a intransigência dos banqueiros", avisa.

Abertura

O evento teve início na sexta-feira, quando os delegados acompanharam uma palestra de conjuntura proferida pelo supervisor técnico do Dieese/CE, Reginaldo Aguiar, que fez uma explanação a respeito do cenário econômico brasileiro e mundial, além de fazer um balanço das campanhas salariais já concluídas em 2012. "As expectativas são positivas, mas é preciso manter a mobilização da categoria", completou o supervisor do Dieese.

Embasamento político

Já no sábado, o secretário de Organização da Contraf-CUT, Miguel Pereira, citou a importância dos fóruns de debates precedentes à campanha nacional, que balizam as entidades sobre o sentimento da categoria e ressaltou a necessidade de se construir uma campanha que aborde todo o ramo financeiro.

"A preocupação com a questão financeira é importante, mas a luta pelas questões sociais e políticas também é fundamental, afinal a campanha dos bancários baliza, inclusive, a campanha salarial de outras categorias", avalia. Miguel frisou a importância da mobilização real de toda a categoria como forma de fortalecer a campanha.

O representante da Contraf-CUT também destacou que é preciso desmentir a falácia dos banqueiros com relação ao argumento de que a redução dos juros ao consumidor diminui a lucratividade dos bancos. "Com certeza, os banqueiros usarão essa falácia para se negar a atender as reivindicações da categoria, mas é bom deixar claro que a redução dos juros não diminui a rentabilidade dos bancos", esclarece.

Miguel finalizou reafirmando a necessidade de se discutir o papel dos bancos públicos, o combate à rotatividade e à terceirização, combate ao assédio moral e às metas abusivas, além da valorização do piso salarial da categoria, pleiteando o salário mínimo proposto pelo Dieese. Ele enfatizou ainda a luta pelo trabalho decente, que envolve remuneração digna e condições de trabalho mais humanas que não comprometam a saúde do trabalhador.

Já o representante da Fenae, Jair Ferreira, ressaltou a importância da mobilização da categoria como fato fundamental para se construir uma campanha forte. "Os banqueiros vão usar argumentos como a redução dos juros, a crise econômica na Europa e temos que estar preparados para esse embate, basta ver o alto lucro apresentado pelo setor mesmo com todas essas questões", disse.

Ao final desse debate, que buscou dar embasamento político aos conferencistas, foi realizada a eleição dos delegados do Nordeste à 14ª Conferência Nacional. Foram eleitos 137 delegados do Nordeste.

Confira as principais propostas aprovadas:

EMPREGO

– Garantia contra dispensa imotivada;
– Combate à terceirização.

REMUNERAÇÃO

– Aumento real de 5%;
– Piso do Diesse (R$ 2.416,38, valor de julho);
– Contratação da remuneração total;
– PLR de três salários base mais verbas fixas de natureza salarial.

SAÚDE, CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

– Fim das metas abusivas;
– Combate ao assédio moral;
– Assistência às vítimas de assaltos, sequestros e extorsões;
– Equipamentos e medidas contra assaltos, sequestros e extorsões;
– Proibição de transporte de numerário por bancários.

SISTEMA FINANCEIRO

– Previdência complementar para todos;
– Isonomia de tratamento;
– Promoção da igualdade de oportunidade para todos e todas.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb CE