Com a proposta de apenas 6% de reajuste sobre todas as verbas salariais – menor que o índice da quase totalidade dos acordos feitos por outras categorias no primeiro semestre – e com o truque do superdimensionamento das Provisões para Devedores Duvidosos (PDDs), os bancos querem reduzir este ano a distribuição da PLR de uma parte considerável dos bancários. Em contraposição, vão engordar ainda mais a remuneração milionária de seus diretores estatutários.

"Essa é uma das razões pelas quais o Comando Nacional dos Bancários considerou a proposta da Fenaban insuficiente e orientou os sindicatos a realizarem assembleias nesta quarta-feira 12 para aprovarem greve por tempo indeterminado a partir do dia 18", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando.

Pesquisa realizada pelo Dieese mostrou que 97% dos acordos salariais celebrados no primeiro semestre do ano contemplaram aumentos reais de salário. Veja aqui reportagem sobre a pesquisa. "Não tem sentido o sistema financeiro, o mais rentável de toda a economia, conceder reajustes inferiores aos dos outros setores", questiona Carlos Cordeiro.

Mudança na regra da PLR para impedir perdas

Os bancos querem ainda reduzir a PLR, por intermédio do truque das altíssimas Provisões para Devedores Duvidosos (PDDs), desproporcionais à inadimplência real do setor. Os seis maiores bancos (BB, Itaú, Bradesco, Caixa, Santander e HSBC) tiveram lucro líquido de R$ 25,2 bilhões no primeiro semestre deste ano e provisionaram R$ 39,15 bilhões para as dívidas superiores a 90 dias, contrastando com uma inadimplência muito baixa.

Confira aqui como os bancos escondem os lucros.

Com isso, os bancários podem receber valores menores que os de 2011. A Fenaban propõe, apenas, reajustar em 6% os valores da regra básica (de R$ 1.400,00 para R$ 1.484,00) e da parcela adicional (de R$ 2.800,00 para R$ 2.968,00) e não concorda em alterar os percentuais do lucro líquido a ser distribuído pelos bancos.

Veja na tabela abaixo o que pode acontecer com o valor da antecipação da PLR no Bradesco, Santander e HSBC.

Banco

Lucro Líquido 1º semestre 2012

2% do Lucro Líquido Semestral

Valor da antecipação da parcela adicional em 2011

Estimativa de antecipação da parcela adicional em 2012

de bancários

Bradesco

5.712.000.000

114.240.000

1.400,00

1.314,95

86.878

Santander

3.230.000.000

64.600.000

1.400,00

1.253,93

51.518

HSBC

602.460.000

12.049.200

582,85

573,77

21.000

Fonte: Demonstrações Financeiras dos bancos – 1º semestre 2012

 

"Para impedir perdas, os bancários estão reivindicando na Campanha 2012 uma mudança na regra de cálculo da PLR, que deve ser três salários mais R$ 4.961 fixos", diz o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

"O que torna a proposta de PLR da Fenaban ainda mais absurda é que, enquanto tira dos trabalhadores, os bancos são benevolentes com seus altos executivos, que vão receber este ano um aumento real considerável", compara Carlos Cordeiro.

Veja aqui quanto os diretores estatutários dos maiores bancos vão embolsar.

"Por isso tudo, os bancários precisam intensificar a mobilização e estar preparados para a greve a partir do dia 18, caso até lá os bancos não apresentem uma nova proposta que contemple nossas reivindicações", adverte Carlos Cordeiro.

As principais reivindicações dos bancários

● Reajuste salarial de 10,25% (aumento real de 5%).
● Piso salarial de R$ 2.416,38.
● PLR de três salários mais R$ 4.961,25 fixos.
● Plano de Cargos e Salários para todos os bancários.
● Elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, da cesta-alimentação, do auxílio-creche/babá e da 13ª cesta-alimentação, além da criação do 13º auxílio-refeição.
● Mais contratações, proteção contra demissões imotivadas e fim da rotatividade.
● Fim das metas abusivas e combate ao assédio moral
● Mais segurança
● Igualdade de oportunidades.

Fonte: Contraf-CUT com Dieese