Crédito: Seeb Pará
Seeb Pará A greve dos bancários e bancárias do Banpará segue forte e unitária em todo o Estado e completou uma semana nesta segunda-feira, dia 10. Além do crescimento da greve com a adesão de mais agências no interior do Estado, o dia foi marcado por mais uma audiência de conciliação no TRT.

A segunda audiência de conciliação entre Sindicato dos Bancários e Banpará, na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), terminou com a expectativa de que o banco finalmente saia da inércia e da intransigência e apresente uma proposta concreta para negociação.

De início, o banco reafirmou que pretendia aguardar a Fenaban para discutir as cláusulas econômicas e que poderia, por enquanto, apenas discutir as questões sociais na rodada de negociação específica que acontece nesta terça-feira (11).

No entanto, no decorrer da audiência, diante da intransigência clara do banco ao, mais uma vez, se negar a negociar, a desembargadora e vice-presidente do TRT, Suzy Koury, propôs que a diretoria do banco promova estudos acerca das proposições da categoria referentes a alguns itens como: aplicação do piso diferenciado, uma promoção a todos os funcionários (no caso, por merecimento, além da que já está programada em janeiro de 2013 que é por antiguidade) e reajuste em todas as comissões.

"Sempre estivemos dispostos a negociar, ao contrário do banco que até hoje não apresentou sequer uma proposta que atenda as reivindicações do seu funcionalismo, pelo contrário, já impetrou interdito e agora mandado de segurança. Esperamos que após essa segunda reunião de conciliação e as sugestões apresentadas pela desembargadora, o Banpará repense sua postura e amanhã sente à mesa com a disposição de negociar", afirma a presidenta do Sindicato, Rosalina Amorim.

Nota de esclarecimento

Pela manhã, o Sindicato enviou a seguinte nota aos bancários e bancárias do Banpará, que reafirma a continuidade da greve:

"O Sindicato dos Bancários do Pará vem informar que a greve no Banpará continua e segue forte em todo o Estado. Esclarecemos que a Justiça não declarou a greve abusiva, tampouco determinou a suspensão das atividades grevistas, como as mobilizações em frente às agências.

A Justiça afirmou o direito de ir e vir da população e funcionários que não aderiram à greve, o que em momento algum foi ameaçado pelos grevistas. Por essa razão, o Sindicato orienta a continuidade da paralisação por tempo indeterminado, até que o Banco apresente uma contraproposta digna e que os trabalhadores, em assembléia, decidam se retornam ou não ao trabalho.

A medida desesperada do Banpará foi tentar resolver na Justiça o que pode resolver em mesa de negociação, atendendo nossas reivindicações. Sabemos que foi enviado um comunicado aos funcionários, assinado pelo presidente, determinando o retorno ao trabalho.

O Banpará tenta confundir os trabalhadores e desmobilizar a greve. Mas não vai conseguir. Continuemos em greve até a vitória!"

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Pará