Crédito: Seeb Curitiba
Seeb Curitiba
Banco apela a práticas antissindicais para coibir direito de greve

O HSBC não toma jeito mesmo. Já no primeiro dia de greve, na terça-feira (18), o banco inglês voltou a usar helicópteros para transportar seus funcionários, em Curitiba, a fim de coibir o exercício do direito constitucional de greve dos trabalhadores.

A instituição fretou helicópteros, que partem do Parque Barigui e vão até o Centro Administrativo Xaxim. Só é possível entrar no CA Xaxim, que está paralisado pela greve dos bancários, se for desta maneira.

Além de prática antissindical, o HSBC, ao fazer isso novamente, coloca seus trabalhadores em risco. Em anos anteriores, o Sindicato dos Bancários de Curitiba recebeu muitas reclamações dos moradores vizinhos, que afirmavam que o barulho era insurportável e começava bastante cedo. Algumas pessoas, irritadas, chegaram a soltar fogos de artifício em direção aos helicópteros.

Vale lembrar que os centros administrativos não prestam atendimento ao público, ou seja, o banco não pode se utilizar da justificativa de que está preocupado com a população ao agir desta forma.

Mais constrangimentos

Na manhã desta quarta-feira (19), segundo dia da greve, a direção do HSBC coagiu mais uma vez seus funcionários. Todos os gestores de área dos Centros Administrativos (Palácio Avenida, Vila Hauer, Kennedy e Xaxim) foram obrigados a convocar os trabalhadores a comparecerem nos portões dos locais de trabalho para registrar depoimentos contra o Sindicato.

"Todos os anos, o HSBC desrespeita o direito de greve dos seus trabalhadores, ameaçando e constrangendo os bancários. Em vez de retomar as negociações e, juntamente com os outros bancos, apresentar uma proposta decente para a categoria, o banco inglês prefere adotar práticas antissindicais, desrespeitando a todos", critica o presidente do Sindicato, Otávio Dias.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Curitiba