Crédito: Seeb Pará
Seeb Pará Demorou, mas finalmente o Banpará acatou a proposta de redação final do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) feito pelas entidades sindicais, o que permitiu a assinatura do documento na tarde desta quarta-feira (17), em Belém.

Participaram do ato de assinatura a presidenta do Sindicato dos Bancários do Pará, Rosalina Amorim, a diretora da Fetec Centro Norte e funcionária do Banpará, Vera Paoloni, a presidenta da Afbepa, Kátia Furtado, e a advogada do Sindicato, Mary Cohen.

Pelo banco estiveram presentes o presidente Augusto Sérgio Amorim, a diretora de administração Márcia Macedo e o assessor jurídico Edvaldo Caribé.

O secretário de Organização do Ramo Financeiro da Contraf-CUT, Miguel Pereira, que esteve em Belém desde o dia 5 até o dia 10 para participar da assinatura do acordo, não pode estar presente devido a confirmação da assinatura do ACT ter ocorrido somente no final da manhã desta quarta-feira e ele estar em São Paulo participando de atividades na sede da Confederação.

Conquistas da greve asseguradas

"O acordo do Banpará estava previsto para ser assinado no dia 5 de outubro, mas diversos problemas na redação final do documento dificultaram a assinatura do mesmo. Finalmente hoje chegamos a um denominador comum e conseguimos assinar o ACT, garantindo assim todas as conquistas da categoria alcançados após 23 dias de uma forte greve do funcionalismo no Banpará", afirma a presidenta do Sindicato.

TABELA DO PCS

O Sindicato reivindicou ao presidente do Banpará a apresentação da tabela do PCS para ter conhecimento de como ficarão os salários do funcionalismo a partir da aplicação de reajuste de 8,5% no piso salarial dos trabalhadores. O banco informou que apresentará a tabela em outro momento, provavelmente na reunião do GT/PCS prevista para ocorrer às 10h dessa quinta-feira (18).

Afbepa não assinou acordo

A Afbepa participou de todo o processo de negociação do ACT do Banpará juntamente com o Sindicato, a Contraf-CUT e a FetecCN, mas se negou a assinar o acordo como testemunha (devido à razão social da entidade) por entender que o banco deveria reafirmar a liberação da vice-presidente da Associação uma vez por semana.

O Sindicato ponderou que a referida liberação também não constava no ACT 2011/2012 e, dessa forma, não havia impedimento para a assinatura do presente acordo. Porém, o Sindicato cobrou do banco que a liberação da vice-presidente da Afbepa seja mantida conforme negociado no ano passado.

Mesa de negociação permanente

O Sindicato também reivindicou a manutenção da mesa de negociação permanente com o Banpará para avançar no debate de pontos pendentes na campanha específica 2012. O banco concordou com a solicitação, mas não indicou data para reabertura da mesa.

Conquistas da Campanha 2012 no Banpará

Após 23 dias de uma forte paralisação em todo Pará, mesmo com todo assédio do banco contra os trabalhadores para enfraquecer a greve, a categoria no Banco do Estado conseguiu, com a força da luta, garantir o índice de reajuste de 7,5%, reajuste de 8,5% no piso com aplicação na tabela do PCS, garantiram o acordo da PLR do ano anterior, além de garantir ampliação na Isonomia (na Licença Prêmio) e que seja garantido analisar proposta para descomissionamento no Comitê de Relações Trabalhistas.

Outra conquista importante foi o abono dos dias parados.

Seguir na luta pelo tíquete extra

A conquista do tíquete extra veio através da luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Banpará na vitoriosa campanha específica de 2007 e quando o Banco do Estado respirava os ares de um governo democrático e popular no Pará. Essa conquista foi retirada pelo governo do PSDB na campanha deste ano, o que servirá de estímulo para a categoria seguir na luta em defesa de seus direitos.

"Não ficaremos calados diante da retirada de um direito da nossa categoria conquistado através da nossa luta. Por isso, seguiremos firmes na organização dos trabalhadores do Banpará em defesa da retomada do tíquete extra. Direitos dos trabalhadores devem ser ampliados e não retirados", ressalta a diretora de saúde do Sindicato e funcionária do Banpará, Érica Fabíola.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Pará