Um crime que está cada vez mais comum na região noroeste paulista é a conhecida “saidinha de banco”. Só no primeiro semestre deste ano, 30 pessoas morreram dentro e fora das agências bancárias de todo o país, vítimas dos assaltantes.

Imagens obtidas com exclusividade pelo Tem Notícias mostram a ação de bandidos em instituições financeiras de São José do Rio Preto (SP). Elas mostram uma agência, que fica no centro da cidade. A vítima entra no banco e segue direto para o caixa. Em seguida, um dos integrantes da quadrilha passa pela porta giratória e começa a observar a movimentação dos clientes dentro do banco, sem levantar suspeitas. Ele anda pelo local e não utiliza de nenhum dos serviços prestados pela agência.

> Clique aqui para ver a reportagem.

As imagens mostram quando o homem chega perto dos caixas. O cliente saca o dinheiro, passa ao lado do assaltante e sai do banco sem saber que estava sendo seguido. O assaltante usa o celular ainda dentro da agência e avisa os comparsas que esperam do lado de fora. Dez minutos depois a vítima é rendida numa rua que fica a um quarteirão do banco. Sob a mira de um revolver, é obrigada a entregar cerca de R$15 mil.

Outra imagem mostra o momento em que os clientes são rendidos no estacionamento que fica ao lado de uma agência bancária. Segundo investigações da Polícia Civil, os homens pertencem a uma quadrilha que age na região. A ação dos bandidos é rápida armados, eles obrigam a vítima a entregar o dinheiro que havia acabado de sacar no banco.

Uma lei estadual foi criada em 2011 para tentar coibir esses crimes que ficaram conhecidos como “saidinha de banco”. As agências teriam que instalar divisórias para dar mais segurança a quem utiliza esse tipo de serviço. Os bancos estariam sujeitos a multas de quase R$ 9 mil, em caso de descumprimento. Mas, essa ela ainda não saiu do papel. Segundo a assessoria do governo do Estado, a lei está à espera de regulamentação para entrar em vigor.

Em Rio Preto, a lei municipal que determina a instalação de divisórias entre os caixas e também de espaço reservado para as filas de clientes que aguardam o atendimento, existe desde 2010. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, já foram aplicadas quase 800 multas e o valor chega a quase R$ 5 milhões.

Com uma câmera escondida, o produtor do Tem Notícias entrou em vários bancos que deveriam ter instalado estes dispositivos de segurança conforme determina a lei. Em algumas agências, a situação é mais complicada. Em uma delas, a porta giratória não existe e qualquer um consegue entrar com todo tipo de objeto. Em outra, o produtor fica tão perto do caixa que é possível ver o dinheiro na mão da cliente que acabou de sacar. No local, adivisória foi instalada, mas o vidro não impede que outras pessoas vejam o que se faz na boca do caixa.

De acordo com uma pesquisa divulgada recentemente pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, no primeiro semestre deste ano, 30 pessoas morreram em assaltos dentro e fora dos bancos, 14 só no estado de São Paulo, um aumento de 11,1% em comparação ao mesmo período do ano passado.

Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), informou que o investimento em segurança nas agências de todo o país, ultrapassou R$ 8 bilhões nos últimos anos. Sobre a legislação, a Federação informou que segue uma lei federal que obriga todos os bancos a ter um plano, aprovado pela Polícia Federal e que os prédios contam com equipamentos e equipes de vigilância para aumentar a segurança dos clientes.

A Febraban disse ainda que atua em parceria com as polícias para a elaboração de ações de combate à criminalidade. Para a polícia, é preciso redobrar os cuidados e evitar a retirada de grandes quantias em dinheiro.

Fonte: G1 Rio Preto e Araçatuba