segunda-feira, agosto 19, 2019
Home > Notícias do Sindicato > Encontro da Contraf-CUT implementa Coletivo Nacional de Mulheres

Encontro da Contraf-CUT implementa Coletivo Nacional de Mulheres

Crédito: Paulo Pepe/Contraf-CUT
Paulo Pepe/Contraf-CUTO Coletivo Nacional de Mulheres da Contraf-CUT instituído no encontro

O 3º Encontro Nacional das Mulheres Bancárias, realizado pela Contraf-CUT entre 25 e 27 de novembro no Instituto Cajamar, em São Paulo, aprovou e elegeu o primeiro Coletivo Nacional de Mulheres, que tem por objetivo debater e formular políticas para as questões de gênero no sistema financeiro nacional. 

Coordenado pela Contraf-CUT, o Coletivo será formado por duas representantes (uma titular e uma suplente) de cada federação de bancários, necessariamente pelas dirigentes que estiverem à frente das secretarias que tratam das questões de gênero.

“Além das federações, o Coletivo também está aberto à participação das companheiras que atuam nessa área nos sindicatos, porque temos uma grande demanda pela frente”, explica Deise Recoaro, secretária da Mulher da Contraf-CUT. 

É a primeira vez que a categoria bancária cria um Coletivo Nacional de Mulheres. As discussões sobre gênero vinham sendo realizadas até agora pela CGROS (Comissão de Gênero, Raça e Orientação Sexual), mas não em caráter orgânico. 

A questão de gênero na perspectiva de classe

“Temos agora o desafio de ampliar a discussão sobre gênero por toda a categoria, criar os coletivos estaduais da mulher, elevar o nível de formação das militantes do tema e formular políticas para a questão das mulheres no sistema financeiro, onde ainda são grande os preconceitos e as discriminações”, afirma Deise. 

Segundo a secretária da Contraf-CUT, o 3º Encontro Nacional das Mulheres teve caráter formativo e organizativo. “Com a contribuição dos palestrantes convidados, fizemos um debate muito rico, focando a questão de gênero dentro da perspectiva de classe. Com isso estamos superando a discussão de que a questão de gênero divide a luta dos trabalhadores”, avalia Deise Recoaro.

No terceiro e último dia do encontro, a técnica do Dieese-Seção Contraf-CUT, Bárbara Vallejos, apresentou estudo da entidade mostrando como persiste a discriminação contra as mulheres no sistema financeiro.

Conheça aqui a pesquisa do Dieese. 

O último dia do Encontro teve ainda três outras mesas. Na primeira, a vice-presidenta da CUT Nacional, Carmem Foro, fez uma exposição sobre a trajetória da luta de organização das mulheres dentro da central, que no último congresso aprovou a implementação da paridade de gênero na direção, e como ela influiu na conscientização sobre o tema em toda a sociedade.

‘Nosso desejo é transformar a realidade’

“Temos uma sociedade capitalista, patriarcal, homofóbica e machista. Essa é a nossa realidade. E nossas entidades acabam reproduzindo o que a sociedade é. O patriarcado e o machismo estão tão culturalmente arraigados que a gente respira isso nos locais de trabalho, nas ruas, nas instituições públicas e também nos sindicatos. E nosso desejo é transformar essa realidade”, disse Carmem.

A diretora regional da UNI Américas Briceida Gonzalez apresentou as campanhas mundiais e regionais sobre questões de gênero desenvolvidas pela UNI-Sindicato Global, que representa mais de 20 milhões de trabalhadores dos setores de serviços em todo o mundo – e à qual a Contraf-CUT é filiada. A UNI aprovou em 2010 o princípio de que as entidades sindicais filiadas devem ter pelo menos 40% de mulheres nas direções.

Reforma política para mais democracia

Por fim, a presidenta do Sindicato dos Bancários, Juvanda Moreira, falou sobre a importância da reforma política para ampliar a democracia e a luta das mulheres por igualdade. No Congresso Nacional, dos 513 deputados federais só há 45 mulheres (8%) e no Senado apenas 12 senadoras no total de 81. 

“O Congresso Nacional é branco, masculino e conservador. Para mudar isso precisamos participar da luta pela reforma política, implementar cota de participação de gênero, mudar as formas de financiamento para alterar a correlação de forças”, propõe Juvândia.

Veja também o que foi discutido no 3º Encontro Nacional das Mulheres Bancárias:

Desigualdade prejudica inserção da mulher no mercado de trabalho 

Novas formas de gestão exploram gênero e fragilizam mulher, diz professor 

Mulheres refletem sobre opressão de gênero a partir de peça teatral

3º Encontro Nacional de Bancárias debate luta por igualdade de gênero

Palestra sobre Rosa Luxemburgo abre 3º Encontro Nacional das Bancárias 









Fonte: Contraf-CUT