Clientes de agências bancárias do interior de Alagoas chegam a esperar duas horas na fila de atendimento. Eles também não contam com dispositivos de segurança, como o painel opaco que ajuda a evitar as famosas “saidinhas” de banco, e nem dispõem de acessibilidade. Esse é o quadro que a Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) tem encontrado durante trabalho de fiscalização, iniciado na última segunda-feira (10).

A operação, que conta o coordenador de Fiscalização da superintendência, Dênis Malta, foi desencadeada devido ao grande volume de reclamações feitas ao 151 – número de telefone que o Procon disponibiliza para denúncias – e às constantes queixas feitas por usuários nos meios de comunicação. Até o fim deste mês, serão visitados 12 municípios.

Para evitar “maquiagens”, os locais a serem fiscalizados não serão divulgados com antecedência. “Ontem, em São Miguel, mesmo com o aviso antecipado e algumas medidas tomadas pelos bancos para disfarçar o mau atendimento, emitimos um auto de infração”, diz Dênis.

Gazeta de Alagoas
Wagner Melo