Crédito: Seeb São Paulo
Seeb São Paulo
Conselheiro eleito se reuniu com bancários em cinco agências de São Paulo


O representante eleito pelos funcionários para o Conselho de Administração (Caref) do Banco do Brasil, Rafael Matos, percorreu na quinta-feira (13) cinco agências de São Paulo, onde se reuniu com os bancários e acompanhou de perto o funcionamento desses locais de trabalho. O objetivo foi verificar, no dia a dia, os principais problemas que os trabalhadores do BB vêm enfrentando e, a partir desses elementos, em conjunto com a Contraf-CUT, federações e sindicatos, pautar a discussão sobre mudanças e melhorias nas reuniões do Conselho de Administração do BB. 

Rafael foi eleito pelo voto direto dos funcionários, tomou posse em outubro de 2013 e atualmente está lotado na Diretoria de Clientes do BB, na capital paulista. Durante as visitas, ele esteve acompanhado do diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, Claudio Rocha, e dos dirigentes da FETEC-SP, Inês Ogando e Silvia Muto.

“É um novo momento na atuação do Caref. Vamos atuar mais próximos dos bancários, procurando levar reivindicações dos funcionários para a pauta do Conselho de Administração. Pretendemos visitar locais de trabalho em várias regiões do país. Nessas primeiras visitas constatamos uma série de problemas, como falta de funcionários e más condições de trabalho.”, destaca Rafael. 

Segundo o conselheiro eleito, que desde a posse já participou de quatro reuniões do Conselho de Administração, em várias agências ficou constatada a sobrecarga de trabalho e evidenciou-se a necessidade de o BB cumprir urgentemente a cláusula 50ª do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, onde o banco se compromete a contratar 3 mil funcionários até 31 de agosto deste ano. “Na próxima reunião, que será realizada na próxima quinta-feira, dia 20, encaminharei a reivindicação da Contraf-CUT para que o Conselho passe a acompanhar o andamento das contratações”, afirmou. 

Entre as propostas para aumentar a proximidade e a interlocução com os funcionários do BB, além das visitas mensais em locais de trabalho em todo país, está a criação de um site, com informações sobre a atuação no Caref.​

Voz dos bancários no Conselho de Administração do BB 

“Nós temos que valorizar cada espaço, onde os trabalhadores conquistam o direito de eleger alguém como eles mesmos, de sua classe, nas instâncias de gestão de entidades como a Cassi e a Previ e da própria empresa onde trabalham, como é o caso do Caref. Os bancários e os sindicatos lutaram muito desde 1999 (quando o governo FHC/PSDB extinguiu o direito) para voltar a eleger um trabalhador ao Conselho de Administração. O BB demorou ainda mais de um ano para regulamentar e, após a eleição, ainda foram meses de espera do Caref para tomar posse”, afirma William Mendes, secretário de formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

“A Contraf-CUT e a grande maioria das entidades sindicais apoiaram a candidatura do companheiro Rafael Matos. Agora pensamos um projeto em conjunto com o nosso Caref para que ele esteja muito próximo aos funcionários e aos sindicatos durante o seu mandato. Nada melhor do que o Caref visitar os locais de trabalho do banco uma vez por mês e verificar as reais condições de trabalho e de atendimento aos brasileiros”, destaca William. 

Para o dirigente da Contraf-CUT, “o Caref é a voz dos funcionários no Conselho de Administração e as coisas não estão nada bem por falta de funcionários, metas abusivas, terceirização de serviços tipicamente bancários e corte de despesas pouco inteligente por parte da direção do banco, como desligamento de ar condicionado, redução de café, água e até papel, insegurança bancária, adoecimento dos colegas e filas, muitas filas, porque o banco precisa contratar mais para atender melhor”. 

“A Contraf-CUT e o Caref vão continuar cobrando do BB o exercício do papel de banco efetivamente público, que atenda a sociedade de forma ética e respeitosa e que valorize o seu corpo funcional”, enfatiza William.


Fonte: Contraf-CUT