O Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, assessorada pelo Coletivo Nacional de Segurança Bancária, se reúne nesta terça-feira (18), às 15h, com a Fenaban, em São Paulo, para fazer um acompanhamento nacional do projeto-piloto de segurança bancária, implantado nas cidades de Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes.

Conquistado nas negociações da Campanha Nacional dos Bancários 2012, o protocolo foi assinado em 14 de maio do ano passado, na capital pernambucana, estabelecendo um prazo de 90 dias para instalar os equipamentos previstos. O período de vigência do projeto-piloto é de um ano, ou seja, até 14 de agosto deste ano.

Um grupo de trabalho, integrado pela Contraf-CUT, Sindicato dos Bancários de Pernambuco e Fenaban, está acompanhando o projeto-piloto em Recife, que já se reuniu três vezes, entre novembro de 2013 e janeiro deste ano. Houve também reuniões com representantes das 209 agências envolvidas, com a participação de delegados da Polícia Civil.

Os bancos implantaram medidas como portas giratórias com detectores de metais, câmeras internas e externas, biombos em frente aos caixas, guarda-volumes e cofres com retardo, entre outras. Os primeiros resultados revelam queda nos assaltos a bancos em Pernambuco e redução nas ocorrências de “saidinha de banco” nas três cidades, conforme estatísticas da Secretaria de Defesa Social (SDS) de 2012 e 2013.

“A expectativa é de extensão das medidas de segurança previstas no projeto-piloto para todas as agências e postos de atendimento do país”, destaca Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional. “Precisamos de prevenção contra assaltos e sequestros para evitar novas mortes de trabalhadores e clientes em função da insegurança no atendimento dos bancos”, ressalta. 

Em 2013, a pesquisa nacional da Contraf-CUT e da Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa e apoio técnico do Dieese, apurou 65 mortes em assaltos envolvendo bancos, uma média de 5,4 vítimas fatais por mês, o que representa aumento de 14,04% em relação a 2012, quando foram registrados 57 assassinatos. “Os bancos não podem continuam indiferentes diante dessa tragédia”, ressalta Cordeiro.

Estatísticas de assaltos a bancos da Fenaban

Além do acompanhamento do projeto-piloto, a Fenaban deverá informar a estatística nacional de assaltos e ataques a agências e postos de atendimento, cujos roubos tenham sido consumados ou não, referentes ao segundo semestre de 2013. Os números informados do primeiro semestre revelaram 169 ocorrências, uma queda de 18,5% em relação ao período de janeiro a junho de 2012, o que surpreendeu os bancários. 

O acesso às estatísticas dos bancos está garantido pelo item “d” da cláusula 32ª da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). “Foi uma conquista da Campanha Nacional 2010”, recorda Ademir Wiederkehr, secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária.

Confira os números de assaltos dos anos anteriores informados pela Fenaban:

. 2000 – 1.903
. 2001 – 1.302
. 2002 – 1.009
. 2003 – 885
. 2004 – 743
. 2005 – 585
. 2006 – 674
. 2007 – 529
. 2008 – 509
. 2009 – 430
. 2010 – 369
. 2011 – 422
. 2012 – 440

“Conhecer os números das estatísticas é muito importante, pois trazem novos elementos para a nossa luta pela implantação de medidas que garantam prevenção contra assaltos e sequestros e protejam a vida de trabalhadores e clientes”, salienta Ademir.

Reunião preparatória

Na véspera, o Comando Nacional e o Coletivo Nacional de Segurança Bancária se reúnem, às 10h, na sede da Contraf-CUT, a fim de preparar os debates com os bancos.


Fonte: Contraf-CUT