CUT quer que todas as violações cometidas durante a ditadura sejam apuradas

Em todo o mundo comemora-se em 24 de março o “Dia Internacional para o Direito à Verdade sobre as Graves Violações de Direitos Humanos e para a Dignidade das Vítimas”. A data foi instituída em 2010, numa homenagem ao arcebispo de El Salvador, Dom Oscar Romero, assassinado naquele dia, em 1980, durante uma missa na capital daquele país. D. Oscar condenava e denunciava as violações aos direitos humanos e à dignidade das pessoas e por isto foi morto.

No mundo todo, são quase 50 mil desaparecidos forçados somente nos últimos 33 anos, segundo levantamento da ONU, sendo milhares desses na América Latina. No Brasil, que viveu uma ditadura militar entre 1964 e 1985, temos centenas de mortos e desaparecidos. Milhares de trabalhadores e trabalhadoras foram presos/as, torturados/as, perseguidos/as, perderam os empregos, expulsos/as das terras, o que provocou aumento da pobreza e da miséria.

Agora, depois de 50 anos, está em funcionamento a Comissão Nacional da Verdade (CNV) que tem entre seus objetivos investigar os crimes da ditadura militar. No âmbito da CNV foi criado o Grupo de Trabalho (GT) Ditadura e Repressão aos Trabalhadores e ao Movimento Sindical. Este GT tem ativa participação da CUT por meio da sua Comissão Nacional de Memória, Verdade e Justiça, que apoia os seus trabalhos.

No próximo dia 31 de março, o golpe militar que instalou a ditadura fará 50 anos e temos que aproveitar o momento para dizer “Ditadura nunca mais”. Os trabalhadores e trabalhadoras da cidade e do campo formam a maioria da população e foram os que mais sofreram com a ditadura militar. A CUT exige que todas as violações cometidas durante a ditadura sejam apuradas.

Neste 24 de março, quando se comemora o Dia Internacional para o Direito à Verdade sobre as Graves Violações de Direitos Humanos e para a Dignidade das Vítimas, a CUT, mais uma vez, reafirma e exige Verdade, Justiça e Reparação. Seguimos e seguiremos lutando em defesa de nossa memória histórica.

Comissão Nacional da Memória, Verdade e Justiça da CUT

Fonte: CUT